Tempo
|
A+ / A-

ERC defende que aplicou a lei no caso da entrevista do neonazi Mário Machado à TVI

16 jan, 2019 - 15:41 • Redação com Lusa

Ouvidos esta quarta-feira em comissão parlamentar de inquérito sobre a polémica, houve alguns momentos de tensão entre os membros da entidade reguladora.

A+ / A-

O presidente da ERC afirmou esta quarta-feira que o regulador “limitou-se a aplicar a lei” quanto à participação de Mário Machado, líder de um movimento de extrema-direita, num programa da TVI, sublinhando que a decisão foi acompanhada por recomendações.

O presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), Sebastião Póvoas, falava na comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, no âmbito de um requerimento do PCP “sobre a apologia do fascismo e do racismo através dos órgãos de comunicação social”, submetido pelo partido após a entrevista de Mário Machado no programa "Você na TV", da TVI.

"A nossa deliberação limitou-se a aplicar a lei", afirmou o presidente da ERC, sublinhando que o Conselho Regulador é "ferozmente contra todas as ideologias e organizações que divulguem e professem ideias totalitárias e antidemocráticas".

Sebastião Póvoas recordou ainda que a deliberação "culmina com quatro recomendações" que abrangem "todos os operadores" de televisão.

"Se não cumprirem, é evidente que a ERC fará a sua averiguação e culminará com uma decisão sancionatória" se houver incumprimento destas recomendações, sublinhou.

Na sua intervenção, o presidente da ERC explicou que a deliberação da entidade sobre esta matéria foi célere porque o órgão assim o entendeu, na sequência da petição feita "aos vários órgãos de soberania".

"Considerámos que essa tomada de posição" era "urgente e, nesse sentido, demos prioridade porque havia essa chamada de atenção", afirmou.

Além disso, recordou que o Conselho de Regulador é constituído por "três juristas e dois especialistas da comunicação", explicando aos deputados a razão pela qual o órgão não pediu um parecer à equipa técnica da ERC.

"Só se pedem pareceres quando a entidade que vai decidir" considera que não tem competências para o fazer, mas neste caso "considerámos que estávamos habilitados para tomar a deliberação", referiu.

Voto dissidente

Apontou que "a decisão tomada teve um único voto dissidente", neste caso do vice-presidente Mário Mesquita, que fez uma declaração de voto anexa à deliberação.

Nessa declaração, o jornalista e professor universitário sublinhou que "a ERC não deve refugiar-se em formalismos jurídicos, mas pronunciar-se de forma substantiva sobre o caso em apreço".

A isto, Mesquita acrescentou que "a defesa do princípio da liberdade de expressão e de programação, nos termos da Constituição, da Lei da Televisão, dos Estatutos da ERC e demais legislação aplicável, não significa que se entenda que essas liberdades não tenham limites, ou que possam ser invocadas para justificar o acolhimento de atos mediáticos ofensivos dos princípios fundadores da democracia portuguesa".

Em 9 de janeiro, a ERC considerou que a entrevista do líder de um movimento de extrema-direita Mário Machado à TVI - que o canal apresentou como "autor de algumas declarações polémicas" sem informar os espectadores do seu envolvimento em crimes racistas - não indicia a prática de qualquer contraordenação ou de crime de violação da Constituição da República Portuguesa.

Sebastião Póvoas sublinhou que o baixo-assinado que foi enviado à ERC sobre esta matéria foi também enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Este órgão, "se entender que existe um indício criminal" avançará com o processo, acrescentou, reiterando que a ERC "não lavou as mãos" neste processo, cumpriu a lei, o que consta na Constituição da República Portuguesa, e fez recomendações.

"Desagrado quanto à forma de programação"

Durante a audição parlamentar, Mário Mesquita pediu para intervir, evidenciando um momento de alguma tensão na equipa da ERC, composta por cinco elementos.

O vice-presidente da ERC, que votou contra a deliberação, explicou que considera que o regulador dos media, "no seu uso de poder de recomendação, deveria transmitir uma mensagem de desagrado quanto àquela forma de programação".

"O que não aceito e protesto é que a ERC se acoberte da liberdade de expressão e da Constituição da República para não dizer nada", sublinhou Mário Mesquita, recordando que o diretor de informação da TVI, Sérgio Figueiredo, assumiu no passado fim de semana, em declarações ao DN, que a entrevista a Mário Machado "foi um erro".

O vice-presidente criticou a falta de uma "análise concreta do que se passou" no programa "Você na TV", transmitida em 3 de janeiro.

"Sou membro do Conselho Regulador da ERC e sou solidário, não obstante não os deixar de criticar", afirmou Mário Mesquita, apontando ainda o caso de uma declaração pessoal sua - sobre o caso da invasão de Alcochete - que não foi publicada no 'site' da entidade reguladora.

"Protestei por aquele texto não ter sido publicado", disse, considerando que há membros da ERC que se dizem "grandes defensores" da liberdade de expressão, mas não permitiram a publicação.

Sebastião Póvoas interveio, garantindo que não há censura no regulador dos media.

"Suscitada a ideia que ficou no ar de que a ERC internamente exerce qualquer tipo de censura", o regulador "é ferozmente contra a censura", disse, explicando que no caso do Alcochete o assunto foi remetido para o poder judicial, com a detenção de vários indivíduos.

"Entendeu-se que a ERC não deveria por qualquer forma interferir ou opinar num caso que estava a ser investigado", continuou Sebastião Póvoas, enquanto que Mário Mesquita disse que mantinha o que tinha afirmado.

O presidente da ERC adiantou que quem tem o pelouro do 'site' é outro dos membros da ERC - Francisco Azevedo e Silva -, sendo que este último, considerando ser "desagradável falar de questões internas" perante os deputados, sublinhou que dentro do regulador "existem regras muito claras", pelo que "se se pretende alterar essas regras", estas terão de ser mudadas pelo Conselho, "propostas que nunca aconteceram".

Já Fátima Resende manifestou-se incomodada com "a dúvida" de eventual falta de análise na deliberação da ERC, tendo explicado que o documento foi feito "a oito mãos", ou seja, com os contributos de quatro dos cinco membros.

De acordo com a deliberação do Conselho Regulador da ERC, na sequência das participações contra a TVI, na emissão de 03 de janeiro, relativamente à entrevista de Mário Machado no programa "Você na TV", "em termos estritamente constitucionais, nada impedia a entrevista sob escrutínio".

Apesar de o entrevistado ter sido condenado e ter cumprido pena de prisão, por crimes de sequestro, detenção de arma proibida e violência racial que culminou com homicídio, referiu a ERC na deliberação, é sabido que, "cumprida a pena, extinguem-se todos os seus efeitos", sendo que, de acordo com a lei, "nenhuma pena envolve como efeito necessário a perda de quaisquer diretos civis, profissionais ou políticos".

O Conselho Regulador afirmou ainda que "o que foi afirmado pelo entrevistado traduz a sua opinião, não indiciando 'prima facie' [à primeira vista] ilícito de incitamento ao ódio ou à violência".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alexander
    17 jan, 2019 Portogrado 15:03
    Com um neonazi destes o Hitler que se cuide!! Por falar em memória, já agora não se esqueçam que existiu um tal de Stalin. Não se lembram?? Perguntem aos ucranianos que eles sabem de certeza!!
  • José Cruz Pinto
    16 jan, 2019 Ílhavo 17:18
    Se for verdade que a ERC apenas aplicou a lei - no que não acredito um só momento, MUDE-SE A LEI, para que não se repitam disparates ofensivos da memória das vítimas de ideologias objectivamente criminosas. Queremos uma democracia de verdade, ou uma democracia de TOLOS, à espera que ela um dia acabe?

Destaques V+