Tempo
|
A+ / A-

BPP. João Rendeiro condenado a cinco anos de prisão com pena suspensa

15 out, 2018 - 16:39 • Tiago Palma

Foram igualmente condenados pelos crimes de falsidade informática e falsificação de documento dois ex-administradores e dois ex-quadros do banco.

A+ / A-

O ex-presidente do Conselho de Administração e fundador do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, de 66 anos, foi esta segunda-feira condenado pelos crimes de falsidade informática e falsificação de documento a cinco anos de prisão com pena suspensa, mediante o pagamento de 400 mil euros à associação Crescer.

No mesmo processo de Rendeiro, e igualmente acusados de falsidade informática e falsificação de documento, crimes ocorridos entre 2001 e 2008, estavam dois ex-administradores do BPP, Paulo Guichard e Salvador Fezas Vital, e dois ex-quadros do banco, Fernando Lima e Paulo Lopes.

Guichard foi condenado a quatro anos e três meses de pena suspensa se pagar 25 mil euros à associação Os Anjos. Fezas Vital, outro dos antigos administradores do banco, foi condenado, também pelos mesmos dois crimes, a três anos e seis meses de prisão, mas a pena será suspensa se pagar 15 mil euros à associação Cais. Paulo Lopes foi condenado a um ano e noves meses de pena suspensa, enquanto Fernando Lima foi condenado a um ano de cadeia por falsidade informática, estando obrigado ao pagamento de uma multa de 5,4 mil euros.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lv
    15 out, 2018 lx 20:56
    Não é por acaso que todos os ladrões psd/cds queriam a continuação da Vidalha, agora querem que a nova PGR siga a mesma linha!
  • Filipe
    15 out, 2018 évora 18:48
    Cumpre prisão efetiva em Tires por ter conjugado umas sílabas que consideram excesso de Liberdade de Expressão a seita que Comanda os Tribunais em Portugal , uma senhora . Estes e outros que prejudicam seriamente a vida de muitos e outros que matam nas estradas , apanham penas suspensas . Tem o dinheiro roubado a terceiros para pagar a liberdade e certamente que não vão cometer crimes iguais . Não se justifica a suspensão , pois não vai haver igual ! Uma conjunto de gente ordinária que profere estas Sentenças .
  • Jorge
    15 out, 2018 Seixal 18:27
    Em Portugal o crime na banca compensa. Vale a pena gamar uns milhões, depois a justiça obriga a pagar uns milhares e o assunto fica resolvido, o restante do desfalque os contribuintes que paguem.
  • Rm
    15 out, 2018 18:12
    Não admira. O PS não deixa nenhum corrupto ir preso. Fez as leis penais assim.
  • paulo alves
    15 out, 2018 porto 17:39
    o crime compensa.....

Destaques V+