Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Jovens trabalhadores marcham contra a precariedade e baixos salários

28 mar, 2018 - 06:03

Os manifestantes exigem o fim da subcontratação para os trabalhadores jovens, que são mais afectados pela precariedade.

A+ / A-

A manifestação nacional de jovens trabalhadores, organizada pela CGTP, contra a precariedade e os baixos salários realiza-se esta quarta-feira à tarde, em Lisboa. O protesto acontece no Dia Nacional da Juventude e são esperados jovens de todos os distritos e de vários setores profissionais.

No protesto, que parte às 15h00 do Cais do Sodré rumo à Assembleia da República, participam jovens trabalhadores dos ‘call center’ da PT, da EDP e da Fidelidade bem como de setores como a indústria, o comércio, a hotelaria, a logística e a grande distribuição, disse o coordenador da Interjovem, João Barreiros.

Além disso, é esperada “uma grande participação de trabalhadores” envolvidos no Programa de Regularização Extraordinário dos Vínculos Precários do Estado (PREVPAP), avançou o jovem sindicalista.

“Os jovens trabalhadores são os mais afetados pela precariedade, mas também pelos baixos salários”, sublinhou João Barreiros, acrescentando que esta realidade se acentuou nos últimos anos.

Os manifestantes exigem “o fim das normas gravosas do Código do Trabalho” e que “a cada posto de trabalho corresponda um vínculo de trabalho efetivo”, bem como “o fim da subcontratação e do aluguer de mão-de-obra, seja no público ou no privado”, lê-se no comunicado da Interjovem.

A manifestação ocorre numa altura em que se discutem na Concertação Social as propostas do Governo de combate à precariedade, entre as quais a redução da duração máxima dos contratos a termo de três para dois anos e menor margem para renovações, bem como a criação de uma taxa a aplicar sobre as empresas que abusem deste tipo de contratação.<

A CGTP classificou as medidas como "meros paliativos", considerando, por outro lado, positiva a eliminação da norma que permite a contratação a termo para postos de trabalho permanentes de jovens à procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • promessas
    28 mar, 2018 Santarém 22:47
    Então mas não era este governo que queria todos os jovens que tiveram que se ausentar do país no governo anterior devido à crise herdada do governo PS anterior de regresso ao país? Afinal vou ouvindo nas notícias que esses não regressam como também outros se vão juntando a eles.
  • 28 mar, 2018 aldeia 14:14
    Um país de baixos salários e precaridade no emprego não é um país de futuro,daí os jovens emigrarem cada vez mais.

Destaques V+