Tempo
|
A+ / A-

​Gripe. Médicos criticam Governo por demora na activação de planos de contingência

09 jan, 2018 - 10:39

Ordem dos Médicos reclama mais autonomia para as direcções hospitalares.

A+ / A-

A Ordem dos Médicos diz que o Ministério das Finanças demora demasiado tempo a desbloquear os planos de contingência da gripe.

Em declarações à Renascença, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, revela que há atrasos nas burocracias.

“A Direcção-Geral de Saúde definiu alguns planos de contingência, ainda assim, limitados, como todos sabemos, que têm que ser activados através das direcções dos hospitais e das Administrações Regionais de Saúde e que depois têm de ser autorizados superiormente algures entre o Ministério da Saúde e o Ministério das Finanças. Ora, isto tem levado a atrasos na activação dos planos de contingência com todas as consequências negativas que estão a ser conhecidas, que é termos doentes internados em macas nos serviços de urgência em vários hospitais do país, em condições que não garantem sequer a dignidade dos próprios doentes”, afirma.

Perante este cenário, Miguel Guimarães reclama mais autonomia para as direcções hospitalares.

“Não é de todo em todo aceitável que as direcções dos hospitais não tenham autonomia para abrir as camas que fazem parte do plano de contingência e contratar os respectivos profissionais de saúde que são necessários para assegurar os cuidados de saúde a essas camas.

Esta e outras sugestões surgem numa altura em que as associações profissionais dos enfermeiros e dos médicos têm alertado para uma elevada procura nos serviços de urgência dos hospitais, descrevendo as situações como complexas ou mesmo caóticas.

Proteja-se do frio

A Direcção-geral da Saúde faz uma série de recomendações a propósito do Inverno, de modo a evitar complicações mais graves derivadas do frio, como doenças respiratórias e lesões.

As principais são:

  • Manter o corpo hidratado e quente;
  • Manter-se protegido do frio (nomeadamente, as extremidades: através do uso de um cachecol, um gorro, luvas e calçado quente);
  • Manter a casa quente (entre os 18 e os 21 graus);
  • Manter-se em contacto e atento aos outros;
  • Estar especialmente atento caso tenha alguma doença crónica ou problema de saúde, dado que “as temperaturas extremas e frias são factor de descompensação”, diz Graça Freitas, directora-geral da saúde.

Outras recomendações importantes são:

  • Manter a correcta ventilação das divisões com lareiras, braseiras, salamandras ou equipamentos de aquecimento a gás;
  • Evitar dormir/descansar muito perto da fonte de calor;
  • Apagar ou desligar os sistemas de aquecimento antes de se deitar ou sair de casa;
  • Promover uma boa circulação de ar, não fechando completamente as divisões da casa, mas evitando as correntes de ar frio;
  • Atenção à utilização de botijas de água quente, para evitar o risco de queimadura;
  • Usar várias camadas de roupa, em vez de uma única muito grossa, e não demasiado justas para não dificultar a circulação sanguínea;
  • Fazer refeições mais frequentes encurtando as horas entre elas, dando preferência a sopas e a bebidas quentes, como leite ou chá;
  • Aumentar o consumo de alimentos ricos em vitaminas, sais minerais e antioxidantes (por exemplo, frutos e hortícolas), pois contribuem para minimizar o aparecimento de infeções;
  • Evitar bebidas alcoólicas, que provocam vasodilatação com perda de calor e arrefecimento do corpo.

A DGS sublinha que todos estes cuidados devem ser reforçados no caso dos grupos mais vulneráveis, ou seja:

  • Crianças nos primeiros anos de vida;
  • Pessoas com 65 ou mais anos ou com mobilidade reduzida;
  • Portadores de doenças crónicas;
  • Pessoas que desenvolvem actividade no exterior;
  • Praticantes de actividade física no exterior;
  • Pessoas que consomem álcool em excesso ou drogas ilícitas;
  • Pessoas isoladas ou em carência social e económica.
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Leonardo
    09 jan, 2018 Lisboa 14:52
    Plano de contingencia deverá ser aplicado com efetividade.As mortes do ano passado atingiram as 4500.Porque ministro não vai comunicando as mortes diárias como fazem nas campanhas de viação,multas contole velocidadeetc.As certidões óbito estão centralizadas portanto não vejo a dificuldade.Há realmente falta de transparência neste processo.As mortes são superiores ás dos incêndios e das estradas .Não merecem a atenção mediática dos outros acontecimentos?
  • BARSANULFO
    09 jan, 2018 alcains 13:17
    Bastoneiro e ordem dos médicos, é braço armado da politica rasca, baixa, da direitalha pafiana. Uns vermes. Não protestem, façam mais!
  • pedro
    09 jan, 2018 12:40
    Médicos e enfermeiros, quando convencerem o governo a pagar-lhes mais, calam-se com a degradação do SNS. Por agora tentam sacar mais umas coroas com horas extra.
  • Filipe
    09 jan, 2018 évora 12:35
    Os médicos e enfermeiros do Sistema Saúde do Estado , ADORAM criar estes cenários típicos e se fossem hoje a preto e branco , pareciam e confundir-se iam com Campos de Concentração NAZI e suas enfermarias de testes a humanos . Adoram isto para terem acesso a regalias e aumentos , quanto não seja a entrada de novos enfermeiros carne para canhão para estes agora revoltos e utilizando os doentes pobres do sistema , aqueles que não tem no bolso um cartão de saúde de acesso a hospitais privados , para estes encostarem a serviços de pouco expediente como vacinas e tirar sangue ... ou melhor sobem de posto ! Isto revela falta de organização do trabalho , pois em redor existem hospitais com camas vazias e bombeiros sentados nas cadeiras à espera dos fogos de 2018 . É tudo uma cena CRIMINOSA onde os magistrados e magistradas do Tribunal de FARO ou DIAP de FARO , esfregam o rabo nas cadeiras sem se levantarem e irem ver se existe algum artigo do Código Penal violado , por exemplo o 200º e mesmo algum homicídio interno propositado . Mas é o sistema de estrume de porco que temos em Portugal , preferem arranjar equipas de futebol e centenas de bófias para perseguirem sem fim o Marquês , e os pobres vão morrendo nas mãos dos capangas da GESTAPO com os CARRASCOS NAZIS do Ministério Público a aplaudir a matança na arena Romana .

Destaques V+