Tempo
|
A+ / A-

Incêndios. Provedora pede a familiares das vítimas para pedirem indemnizações

13 dez, 2017 - 12:12

Até ao momento, ainda não chegou à Provedoria da Justiça nenhum requerimento para atribuição de indemnizações, um procedimento obrigatório para que o processo seja accionado.

A+ / A-

A Provedora da Justiça apelou, esta quarta-feira, aos familiares das vítimas dos incêndios para que apresentem os seus requerimentos de forma a que as indemnizações sejam atribuídas rapidamente.

Segundo Maria Lúcia Amaral, até ao momento ainda não chegou à Provedoria da Justiça nenhum requerimento. Daí o alerta lançado: “É preciso que os familiares entreguem os requerimentos para que esta fase se inicie e seja levada a bom porto, de uma forma célere e justa".

"Como estamos perante um mecanismo extrajudicial, que se caracteriza pela adesão voluntária", as indemnizações só serão atribuídas a quem as solicitar, explicou também a Provedora da Justiça.

Intensificar a informação

Maria Lúcia Amaral considera que este é o momento para dar a informação necessária aos destinatários sobre o procedimento para a atribuição das indemnizações às vítimas dos incêndios de 17 de Junho e de 15 de Outubro.

"A grande preocupação é que ninguém fique de fora deste processo por falta de esclarecimento, de informação ou por falta de ajuda para preencher o requerimento”, afirmou a mesma responsável, que se mostrou ainda convicta de que os processos possam estar concluídos dentro de semanas.

A provedora anunciou que se vai realizar, em Coimbra, uma reunião entre técnicos das autarquias afectadas pelos incêndios e a Ordem dos Advogados do Centro para que sejam prestadas todas as informações para os técnicos difundirem junta das populações atingidas.

As situações mais graves de incêndios em Portugal este ano ocorreram em Junho, em Pedrógão Grande - quando um fogo alastrou a outros municípios e provocou 66 mortos e mais de 250 feridos -, e a 15 de Outubro passado, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, que provocaram 45 mortos e cerca de 70 feridos, perto de uma dezena dos quais graves.

Os incêndios florestais consumiram este ano mais de 442 mil hectares, o pior ano de sempre em Portugal, segundo os dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ora aí está
    13 dez, 2017 port 12:57
    Queixam-se e lamuriam-se perante as câmaras das TVs, e alguns jornalistas limitados e receptivos, mas a ignorância é tanta que não passam disso! Isto é que os media deveriam fazer! deslocam-se aos locais para jogar com os sentimentos das pessoas também deveriam deslocar-se para informarem e esclarecerem que as pessoas têm à sua disposição os meios que devem activar para beneficiar deles! É assim que deveria ser uma informação idónea, pela positiva e não apenas uma (des)informação fatalista e sensacionalista!

Destaques V+