Tempo
|
A+ / A-

Urban Beach. Dois seguranças em prisão preventiva

04 nov, 2017 - 17:12

O terceiro, a quem é imputado o crime de ofensa à integridade física, saiu em liberdade, mas sujeito a várias medidas de coacção, nomeadamente termo de identidade e residência, proibição de contactar com as vítimas e com os coarguidos, além de ficar impedido de exercer a actividade de segurança privada.

A+ / A-

O Tribunal de Instrução Criminal decretou hoje prisão preventiva para dois seguranças da discoteca Urban Beach, indiciados de tentativa de homicídio, enquanto um terceiro segurança saiu em liberdade, tendo-lhe sido imputado o crime de ofensa à integridade física.

A audição dos três seguranças detidos pela PSP por agressões a jovens junto às instalações da discoteca Urban Beach, em Lisboa, começou depois das 13h30, no Campus da Justiça de Lisboa.

Após a audição dos três funcionários da empresa de segurança privada PSG, o tribunal divulgou um comunicado "para salvaguardar a tranquilidade pública".

De acordo com a nota, a dois dos arguidos foi imputada a "autoria de um crime de homicídio qualificado na forma tentada".

O terceiro, a quem é imputado o crime de ofensa à integridade física, saiu em liberdade, mas sujeito a várias medidas de coacção, nomeadamente termo de identidade e residência, proibição de contactar com as vítimas e com os coarguidos, além de ficar impedido de exercer a actividade de segurança privada.

Segundo o tribunal, os dois arguidos que ficaram em prisão preventiva poderão passar para prisão domiciliária, depois de os serviços elaborarem um relatório para verificar se existem condições para tal.

À saída do tribunal, Joaquim Oliveira, advogado de um dos seguranças, confirmou aos jornalistas que o seu cliente ficou em prisão preventiva e referiu que um dos pressupostos é o "alarme social".

Sobre a decisão da juíza, o advogado comentou que "os pressupostos são totalmente subjectivos em relação ao que se passou".

"Todos temos um dia mau. Foi um dia mau para o meu cliente. Não estou a justificar" as agressões, disse, depois de referir que "as coisas não começam naquele vídeo".

O advogado referiu que o relatório hospitalar não indicou "danos nos tecidos nem nos ossos" da vítima das agressões. Além disso, acrescentou, "as coisas não começam naquele vídeo" que foi divulgado publicamente.

Na sequência das agressões, registadas em vídeo que se tornou público, a PSP deteve, inicialmente, um segurança da discoteca Urban Beach, na madrugada de sexta-feira, por "fortes indícios" do crime de ofensas à integridade física graves.

Após a primeira detenção e ainda na sexta-feira, a Direcção Nacional da PSP informou, em comunicado, que "mais dois suspeitos, sobre os quais tinham sido emitidos mandados de detenção pela autoridade judicial competente, já se encontram detidos em instalações policiais".

Neste âmbito, a Polícia sublinhou que, após o registo da ocorrência, a análise do vídeo publicamente divulgado e de diligências policiais, foi possível identificar os agredidos e os vigilantes agressores.

A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL) destacou também que a PSP realizou, durante a madrugada de sexta-feira, "inúmeras diligências cautelares de recolha urgente de meios de prova para identificação dos respectivos autores dos crimes divulgados, efectuadas no âmbito do inquérito instaurado pelo Ministério Público".

A investigação decorre no Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, na Unidade Especial de Combate ao Crime Especialmente Violento (UECCEV), com a coadjuvação da PSP.

O Ministério da Administração Interna ordenou o encerramento do espaço na madrugada de sexta-feira, alegando não só o episódio de quarta-feira, mas também as 38 queixas sobre a Urban Beach apresentadas à PSP desde o início do ano, por alegadas práticas violentas ou actos de natureza discriminatória ou racista".

A discoteca vai ficar fechada durante seis meses.

[actualizado à [18h13]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • RCV
    05 nov, 2017 Lx 10:19
    Porque é que este caso foi tão rápido e o caso dos 'minoritários' de Coimbra com o mesmo nível de violência e tipo de agressões a pessoas que estavam a trabalhar e não a furtar continua a zero?! Há dois tipos de justiça? São uns mais impunes que outros?!
  • Filipe
    04 nov, 2017 évora 22:30
    Conheço a vida noturna a palmo desde as primeiras discos em Portugal e ainda quando fechavam pelas 02h . Sempre existiram confrontos entre porteiros e vigilantes dentro do recinto . É normal ! São sítios que já se entra com taxas de álcool elevadas ou drogas e lá dentro para se cumpri o consumo mínimo , quase se obriga a consumir mais . Cerca de 1% de gente que frequenta esses sítios anda a Sumos de Laranja ... Hoje , entra-se pelas 02h ainda pior do que antigamente , pois já tem nascido o Sol e ainda consome álcool . A diferença é que naqueles tempos existiam telefones fixos ! Todavia , acho um absurdo terem fechado o recinto . Pois não cabe na cabeça de ninguém existir um segurança agressivo na porta de uma Câmara Municipal afeto a uma empresa externa e terem de fechar a Câmara Municipal . Se a equipa de segurança é violeta essa tem de responder pela justiça , são serviços externos ao proprietário que não paga diretamente a essas pessoas . E, a prisão preventiva só pelas imagens é mais grave e afeta mais a dignidade humana do que a violência empregue . Só uma questão : Também metem em prisão preventiva os condutores que matam pessoas nas estradas ????? É um absurdo e pior que o Acórdão lá do Norte ... a Justiça Portuguesa está hoje transformada no anarquia mental de gente incompetente e violadora da dignidade humana , melhor a PIDE/DGS nem fazia e nem Hitler tinha essa coragem . tratem-se ! Bastava apresentações periódicas e já que a empresa foi suspensa no alvará .
  • 04 nov, 2017 aldeia 19:06
    Nada justifica a violência violenta,pontapear uma pessoa deitada no chão e não só,são comportamentos animalescos,devem ser punidos e de preferência cumprirem prisão,os donos destes estabelecimentos também devem ser punidos com multas pesadas e encerramento dos estabelecimentos,talvez assim situações como estas sejam muito em menor escala.
  • Dias
    04 nov, 2017 mafra 17:23
    O " incidente " multicultural em Coimbra parece pouco interessar aos media.

Destaques V+