A+ / A-

Secretaria-Geral do MAI aponta falhas nas comunicações e à Protecção Civil

27 jun, 2017 - 22:28

Relatório considera que a Protecção Civil deveria ter solicitado "em tempo útil" uma estação móvel do sistema de comunicações SIRESP.

A+ / A-

Veja também:


Ocorreram falhas nas comunicações durante o incêndio de Pedrógão Grande e a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) devia ter actuado mais cedo para precaver a situação, refere a Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna (SGMAI).

De acordo com um relatório da SGMAI (leia aqui o PDF), conhecido esta terça-feira, a Protecção Civil deveria ter solicitado "em tempo útil" uma estação móvel do sistema de comunicações SIRESP quando verificou que "a situação estava a tornar-se excepcional" e mesmo antes “de alguma estação rádio fixa se encontrar em modo local".

“Das diversas estações da rede SIRESP que servem a região, duas delas que cobrem a zona afectada pelo incêndio entraram em modo local (LST).”

Às 19h38, de 17 de Junho, “a estação de Pedrógão Grande passa por sucessivas intermitências" até “ficar definitivamente” em modo local, pelas 21h52. A estação de Figueiró dos Vinhos passou a LST horas depois, às 03h53, de 18 de Junho.

A SGMAI explica quem quando por qualquer problema uma estação entra em modo local, “cada estação SIRESP isolada assegura as comunicações dos terminais na sua área de cobertura, mas sem ligação aos terminais filiados em outras estações ou no resto da rede”.

Um pedido tarde demais

O documento adianta que a SGMAI recebeu o pedido para activar a estação móvel – um camião com ligações satélite que permite conexão com a rede SIRESP - às 21h15 pelo chefe de gabinete do secretário de Estado da Administração Interna e da ANPC 14 minutos depois, tendo o procedimento sido activado.

"Nesse momento era já impossível ter a EM (estação móvel) em Pedrógão Grande a tempo de ajudar a minorar as ocorrências que resultaram em mortes", refere a Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna, avançando que o tempo necessário para que a estação móvel se deslocasse e iniciasse serviço é de quatro horas.

Segundo a SGMAI, que cita a análise da 'fita do tempo' do incêndio da ANPC, as mortes terão ocorrido até às 22h30 do dia 17 de Junho.

O relatório adianta que o Centro de Operações e Gestão (COG) da SGMAI não teve, até às 21h15 desse dia, da parte da ANPC nem de nenhuma outra entidade utilizadora ou da operadora da rede SIRESP "qualquer relato da existência de dificuldades nas comunicações".

As duas estações base móveis auto transportadas, confiadas uma à PSP e a outra à GNR, são geridas pela SGMAI e, quando alguma entidade utilizadora da rede SIRESP necessita de reforço de cobertura ou resolução de alguma falha temporária solicita ao COG da SGMAI a sua activação.

De acordo com aquele organismo, a estação de Pedrógão Grande esteve "intermitente entre as 19h38 e as 21h52, período durante o qual para o COG esta estação se encontrava em modo intermitente, oscilando entre os modos de operação normal", pelo que "não poderia ter a real noção dos problemas operacionais no terreno sem ser alertado pela ANPC".

No dia 17 de Junho, a EM confiada à GNR não estava operacional em consequência da quebra de uma peça após a operação Fátima-2017, encontrando-se em reparação em Espanha desde o início do mês de Junho, e a EM confiada à PSP estava numa oficina para efectuar a revisão.

MAI não sabia que estação móvel estava na revisão

A SGMAI realça que "não estava informada" que esta EM já se encontrava na oficina para revisão mecânica agendada para dia 19 (segunda-feira), sem ter sido salvaguarda "pela PSP a possibilidade da viatura poder ser mobilizada logo que necessária".

Segundo o relatório, a EM da PSP chegou a Pedrógão Grande ao posto de comando e controlo móvel da ANPC às 6h26 do dia 18 e entra em funcionamento às 9h32.

A SGMAI refere ainda que as duas estações móveis mais ligeiras confiadas à ANPC, adquiridas em 2015, financiadas por fundos comunitários, ainda não estão equipadas com ligação satélite, "pelo que não seriam uma mais-valia para esta operação".

"O procedimento de contratação para aquisição dos equipamentos satélite para estas duas viaturas teve início em 2016 e está em curso. A ANPC tem conhecimento da situação e voltou a ser informada em 20 de Abril na última reunião na SGMAI", concluiu o documento.

O relatório da SGMAI pretendeu identificar cronologicamente o evoluir dos acontecimentos no incêndio de Pedrógão Grande, baseado na informação disponível na 'fita de tempo' do posto de comando operacional da ANPC, da informação disponibilizada pela operadora SIRESP e da informação de que a SGMAI dispõe no seu COG.

Os incêndios que deflagraram na região centro, desde o dia 17, provocaram 64 mortos e mais de 200 feridos e só foram dados como extintos no sábado.

Contactada apela Renascença, a Autoridade Nacional de Protecção Civil revela que só fará comentários depois de concluído o inquérito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    29 jun, 2017 Santarém 00:06
    Se o MAI aponta tais falhas dá a impressão de que afinal o SIRESP mesmo com grande parte do material inoperacional é que esteve bem em toda esta situação, mas já agora todos estes organismos parecem estar sob a tutela desse ou de outro ministério e ainda há bem pouco tempo fugiram da cadeia de Caxias 3 reclusos altamente perigoso e um deles com nacionalidade portuguesa que se dá ao luxo de gozar na Internet com vídeos com as autoridades e a senhora ministra, mas ainda quanto ao SIRESP já começamos todos a perceber a sua origem e a razão da sua inculpabilidade.
  • zita
    28 jun, 2017 lisboa 14:27
    Bom! como cada um empurra para o outro e ninguém assume as culpas, aliás tudo correu sem falhas. Mas se ninguém quiser casar com a culpa, eu caso pronto!
  • passado adiado
    28 jun, 2017 lisboa 04:56
    a "culpa" está solteira há tantos anos que ficou para "tia"! é uma autêntica ilusão sequer sonhar que "ela" algum dia venha a casar! não na Tugolândia, isso nunca,,,
  • 27 jun, 2017 23:11
    Um gigante com pés de barro!
  • PROPAGANDA BARATA
    27 jun, 2017 Lx 23:04
    Começam as verdades alternativas dos geringonços que querem sacudir a àgua do capote...A propaganda e a retórica dos xuxas não apaga a morte de 64 pessoas nem saram as feridas de mais de 250 pessoas..Lamentavelmente a menina Constança já devia ter tido a verticalidade de se demitir por ser incompetente para exercer o cargo que lhe caíu no regaço...

Destaques V+