Tempo
|
A+ / A-

Editoras acusam Governo de falhar nos manuais escolares gratuitos

13 nov, 2016 - 09:35

Em comunicado, a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) diz que o Grupo de Trabalho sobre gratuitidade dos Manuais Escolares "falhou os objectivos a que se propunha, por exclusiva responsabilidade do Ministério da Educação".

A+ / A-

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) lançou este domingo um comunicado no qual considera que o Grupo de Trabalho sobre gratuitidade dos Manuais Escolares "falhou a missão" a que se propunha, e responsabiliza o Ministério da Educação.

No comunicado, assinado pela Comissão do Livro Escolar da APEL, a associação sustenta que o grupo, criado em Maio, "falhou os objectivos a que se propunha, por exclusiva responsabilidade do Ministério da Educação".

O grupo de trabalho foi criado através do Despacho n.º 6861/2016 do Ministério da Educação, em 13 de maio de 2016, para definir "um programa de aquisição e reutilização de manuais escolares e recursos didácticos com vista a implementar progressivamente, no prazo da actual legislatura, a sua gratuitidade em toda a escolaridade obrigatória".

"A gestão ad-hoc e pouco produtiva com que o Chefe de Gabinete da Secretária de Estado Adjunta e da Educação [José Couto] conduziu o Grupo de Trabalho é lamentável, e nada condizente com o grau de responsabilidade inerente, e impediu a concretização de propostas concretas", considera a APEL.

Para a associação de editores e livreiros, "os representantes do Ministério da Educação não proporcionaram as condições fundamentais para que essa discussão fosse produtiva e, para que não haja dúvidas sobre esta matéria, a APEL desafia a que sejam tornadas públicas as atas das reuniões, bem como todos os elementos que permitirão avaliar a forma como este grupo de trabalho foi conduzido".

No comunicado, a entidade sustenta ainda que a criação deste grupo foi encarada "como uma oportunidade de se debater e encontrar um modelo de gratuitidade que fosse sustentável e compatível com os princípios constitucionais de liberdade e equidade no acesso e sucesso na educação".

"Foi nesse sentido que os editores escolares trabalharam, disponibilizando vários documentos e pareceres aos demais parceiros para uma discussão séria, ampla e aprofundada, provando o sentido de responsabilidade e a vontade de compromisso dos editores", salientam.

"Governo insensível"

A APEL acrescenta ainda que poderia ser, por estes dias, anunciada uma "política do manual escolar do Século XXI, condizente com os desafios que os alunos e os professores enfrentam, e que permitisse uma construção eficaz de uma sociedade do conhecimento", mas que os responsáveis do Ministério "se mostraram insensíveis à maioria das recomendações, em particular, às questões de igualdade de acesso e sucesso na educação, expressamente previstas na Constituição".

A criação de um grupo de trabalho, para definir a gratuitidade e reutilização dos manuais escolares, em toda em a escolaridade obrigatória, foi definida por despacho de 13 de maio, do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e tinha um prazo máximo de 180 dias (até novembros), para a apresentação do relatório final.

O grupo era constituído por representantes do Ministério da Educação, do Conselho das Escolas, da Associação Nacional de Municípios Portugueses e das associações de pais (CONFAP e CNIPE), das secretarias de Estado dos Assuntos Parlamentares e do Comércio, da Direcção-Geral das Actividades Económicas e da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL).

"O governo propõe-se tornar os manuais escolares menos onerosos para as famílias e incentivar a sua reutilização, sem colocar em causa a liberdade de escolha", lia-se no despacho.

O ministro sustentava a medida com o programa inscrito no Orçamento do Estado para 2016, que já previa a distribuição gratuita dos manuais escolares a todos os alunos do 1.º ano do 1.º ciclo do ensino básico, no ano lectivo de 2016/2017.

O Orçamento do Estado para 2017 prevê o alargamento da medida, em 2017/2018, a todos os alunos do 1.º ciclo do Ensino Básico, na rede pública de escolas, cabendo ao responsável governamental pela educação definir as condições em que serão disponibilizados os manuais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+