Tempo
|
A+ / A-

​Nova reitora da Católica aposta na formação de licenciados empreendedores

28 out, 2016 - 11:56 • Raquel Abecasis

Isabel Capeloa Gil, a segunda mulher, em 50 anos, a ocupar o cargo, ambiciona também que a Universidade Católica cultive “uma elite de pensamento”.

A+ / A-
​Nova reitora da Católica aposta na formação de licenciados empreendedores
​Nova reitora da Católica aposta na formação de licenciados empreendedores

A nova reitora da Universidade Católica Portuguesa (UCP), Isabel Capeloa Gil, que toma posse esta sexta-feira, define com um dos principais objectivos da instituição a formação de licenciados empreendedores.

“Uma das coisas que nós queremos incutir, e que é essencial na missão da Universidade, é criar licenciados empreendedores nas suas variadas áreas”, diz Isabel Capeloa Gil, acrescentando que têm “um projecto muito ambicioso na área da biotecnologia, na biorefinaria e produção de bioprodutos com uma empresa norte-americana de Silicon Valley”.

Nesta entrevista à Renascença (que pode ouvir na íntegra esta sexta-feira, depois das 23h00), a nova reitora da UCP fala também de “apostas especializadas”. “Nós não trabalhamos para ser iguais aos outros mas para nos diferenciarmos”, argumenta.

“Hoje em dia, fala-se muito a especialização inteligente, mas a especialização inteligente significa que temos de fazer escolhas, temos que cultivar todos os saberes de forma transversal mas escolher aqueles em que queremos ser líderes”, afirma Capeloa Gil.

“Cultivar uma elite de pensamento”

isabel Capeloa Gil será a segunda mulher, em 50 anos, a ocupar o lugar e encara a tarefa como um desafio a fazer mais e melhor.

"Nós temos vindo a marcar o ritmo, fomos aquilo a que os ingleses chamam, ‘early starters’. O ‘early starter’ lidera, mas tem que continuar essa liderança, e o nosso desafio é continuarmos com novas formações e novas apostas”, diz.

A nova reitora considera prioritário continuar o caminho de internacionalização da universidade e aumentar a ligação às empresas “dentro e fora de portas”.

Quanto à missão da Universidade Católica na sociedade, Isabel Capeloa Gil considera que se deve fazer sentir em todos os sectores com a formação de elites que possam influenciar o país.

"Aquilo que nós queremos é cultivar uma elite de pensamento. Não ser uma universidade de elites, ser uma universidade inclusiva, mas que cultive uma elite de pensamento, ou seja, essa elite de pensamento que tenha acção concreta em todas as áreas da sociedade, desde a política à economia, à saúde, à cultura”, explica.

A Faculdade de Medicina é um projecto que está próximo de arrancar e que é um velho sonho da Universidade Católica, exactamente porque ”é na área da saúde que uma formação católica pode fazer toda a diferença, não só no que respeita à defesa da vida, mas também numa outra forma de olhar para os cuidados de saúde,” conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+