A+ / A-

Família de fundador do Banif admite avançar para a justiça contra resolução

25 mai, 2016 - 23:05

Rentipar admite que houve falhas, mas garante que trabalharam até à exaustão na recuperação do banco.

A+ / A-

O principal accionista do Banif antes da injecção de capitais públicos admite avançar com acções na justiça por causa da resolução do banco no final do ano passado.

Fernando Inverno que esteve à frente da Rentipar – da família do fundador Horácio Roque – até Maio de 2013 reconhece que houve falhas, mas garantiu que trabalharam até à exaustão na recuperação do banco do Funchal.

O antigo responsável pela empresa que detinha a maioria do capital do Banif explicou aos deputados da comissão parlamentar de inquérito que tudo foi feito para salvar o banco. Reconhece que o dinheiro em falta para manter o Banco à tona era de um montante muito elevado, assumindo desconhecer como se chegou a um valor próximo de dois mil milhões de capital.

Fernando Inverno, que saiu da Rentipar em 2013, diz que os problemas do banco resultaram de um conjunto de factores.

O antigo responsável pela Rentipar – que está insolvente – acredita que ainda falta explicar a resolução ao Banif admitindo acções judiciais para contestar a medida.

Fernando Inverno que esteve à frente da holding que controlava o Banif assumiu ainda que nunca houve comportamentos que fizessem duvidar da equipa de gestão do banco.

Uma audição sem imagem com o antigo responsável pela Rentipar a dizer que a empresa acabou prejudicada com a resolução do Banif afirmou desconhecer as operações cruzadas com as empresas do Grupo Espírito Santo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+