Tempo
|
A+ / A-

Cancro da mama. Perto de um milhão de mulheres sem acesso a rastreio

17 fev, 2016 - 07:13

O cancro da mama é o que mais atinge as mulheres portuguesas. Nos homens, a lista é liderada pelo tumor na próstata. O cancro mais mortífero continua a ser o do pulmão.

A+ / A-

A directora do Registo Oncológico Regional Sul defende um rastreio ao cancro generalizado a todo o país, de modo a que mais doentes possam iniciar tratamento na fase inicial da doença.

Pelo menos um milhão de mulheres não tem acesso a rastreio ao cancro da mama – um tumor maligno com grande incidência e também com uma das maiores taxas de cura entre as portuguesas. Mas as assimetrias regionais não dão oportunidade de diagnóstico igual a todas.

Há uma grande disparidade entre a incidência e a mortalidade associada ao cancro da mama. O problema, diz a directora do Registo Oncológico Regional Sul, Ana Miranda, é que, por exemplo, na Região de Lisboa e Vale do Tejo, os únicos rastreios disponíveis são os da Liga contra o Cancro.

Ficam muitas mulheres de fora e o resultado está à vista, diz a especialista: ainda há casos de mulheres que chegam à fase de diagnóstico em fases muito avançadas – no chamado estadio 4.

Ana Miranda defende, por isso, que um rastreio generalizado a todo o país, “pelo menos conseguia trazer [ao rastreio] mulheres com tumores em estadios mais precoces, em que o tratamento é mais eficaz”.

O Registo Oncológico Regional Sul abrange quatro milhões e 800 mil pessoas. Os rastreios ao cancro da mama já estão a ser feitos no Alentejo e no Algarve, mas ainda não chegaram à Região de Lisboa e Vale do Tejo, que tem mais população.

No Centro e no Norte do país, estes rastreios são feitos há vários anos.

O Registo Oncológico Regional Sul compilou os dados nacionais e vai divulga-los esta quarta-feira, em Lisboa.

Rastreio poderia reduzir mortes por cancro no colo do útero em 80%

O acesso generalizado aos rastreios também poderia evitar o crescente número de casos de cancro do colo do útero. Todos os anos surgem cerca de mil novos casos.

“A eficácia do rastreio é comprovadamente muito grande. Se toda a gente aderisse, um rastreio organizado diminuiria a mortalidade em cerca de 80%”, refere Ana Miranda.

Por enquanto, continuam a surgir casos já numa fase muito adiantada, mas a situação pode ser revertida, porque “o rastreio do colo do útero é o único que consegue detectar lesões pré-malignas”, explica a directora do Registo Oncológico Regional Sul.

Nesta altura, fazem-se rastreios ao cancro no colo do útero apenas no Alentejo, no Algarve e na região Norte.

Cancro do pulmão é o que mais mata, mas tem rival

Apesar de estar em regressão, o cancro mais mortífero continua a ser o do pulmão. “É, de longe o tumor mais importante, porque, apesar de ter uma incidência mais baixa, continua a ser o mais letal”, afirma a directora do Registo Oncológico Regional Sul.

Mas a situação está a mudar. A mudança de hábitos está a fazer disparar os casos de tumor no colón.

“Subiu substancialmente. Passámos de 30 por 100 mil em termos de casos incidentes para 48/49 por 100 mil. Estamos quase a par do cancro no pulmão e certamente que o vai ultrapassar”, afirma Ana Miranda.

A taxa mais baixa de cancro no colón regista-se na região Centro, onde o rastreio se faz há mais tempo – tal como o cancro da mama nas mulheres.

Dos cancros rastreáveis, a mama é que o que regista maior número de novos casos em Portugal, seguido pelo da próstata e do colón.

Nas mulheres, o cancro da mama é o tumor com maior prevalência. Os homens portugueses têm mais cancro da próstata, mas continuam a morrer mais de cancro do pulmão.

Quer no caso do cancro da mama quer no da próstata, a taxa de mortalidade é baixa em comparação com a incidência.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • artur mateus
    17 fev, 2016 Lisboa 15:05
    - Motivação: AJUDAR PESSOAS, PARTILHANDO CONHECIMENTO... - Por todos consensual que o melhor tratamento, começa na PREVENÇÃO... Daí resulta a responsabilidade de cada um activar sua vigilância, fazer rastreio periódico e cuidar escrupulosamente de uma alimentação adequada e equilibrada, informando-se porque DEVE EVITAR o consumo de leite animal, seus derivados, pastas dentífricas com fluor, carbohidratos... e procurar suplementos que comprovadamente reforcem e equilibrem o sistema imunitário, deixando o organismo alcalinizado, não propício a enfermidades. Solictar in box, informação especificada sobre o mais poderoso antibiótico, anti-inflamatório e cicatrizante natural conhecido na Natureza, que em pesquisas efectuadas, apresentaram resultados importantes contra nove linhagens de cancro e tuberculose, inibindo ou matando células doentes. Em resultado de seus recentes estudos, a Universidade de Lausanne-SuIça, publicou na revista britanica "Nature", resultados eficazes no tratamento da gota em pacientes do CHUV-Centro Hospitalar Universitário em Lausanne, com este anti-inflamatório 100% natural, com excelente ação expectorante, no combate a doenças oncológicas, infeciosas, crónicas, auto-imunes...
  • METIS
    17 fev, 2016 Porto 08:52
    Tudo o que precisa de saber sobre cancro da mama em http://metis.med.up.pt/index.php/Rastreio_de_Cancro_da_Mama

Destaques V+