A+ / A-

​Portugal desaconselha viagens para península do Sinai

05 nov, 2015 - 21:01

Aviso surge cinco dias depois de um Airbus A321 da companhia russa MetroJet se ter despenhado no norte do Sinai.

A+ / A-

O Governo português desaconselha, num aviso divulgado esta quinta-feira no Portal das Comunidades Portuguesas, quaisquer viagens a áreas fronteiriças com a Líbia e o Sudão, bem como ao norte da península egípcia do Sinai.

O aviso surge cinco dias depois de um Airbus A321 da companhia russa MetroJet se ter despenhado no norte do Sinai, matando todas as pessoas a bordo (224), apenas 23 minutos depois de descolar da estância balnear egípcia de Sharm el-Sheikh, localizada no Sinai.

Londres e Washington consideram provável que a queda do avião, ocorrida no sábado, poderá ter sido provocada pela explosão de uma bomba.

O aviso das autoridades portuguesas abrange igualmente outras áreas do território egípcio. "Desaconselham-se as viagens não essenciais ao sul da península do Sinai, ao eixo de Suez - Ismailia - Port Saïd, ao Cairo e a Alexandria, principalmente aos locais habituais de realização de manifestações e potenciais focos de violência", indicou a nota das autoridades portuguesas, que relembram que "as presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações e conselhos, e são suscetíveis de alteração a qualquer momento".

A França também "desaconselhou" esta quinta-feira os seus cidadãos de viajarem para a península do Sinai, em concreto para Sharm el-Sheikh, a menos que exista "uma razão imperativa, nomeadamente profissional".

O aviso do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês também inclui a cidade de Taba, igualmente localizada no Sinai.

A companhia de aviação alemã Lufthansa anunciou igualmente que "por motivos de precaução" ficam interrompidas as ligações aéreas com destino a Sharm el-Sheikh.

Num comunicado, a Lufthansa que realiza dois voos semanais, explorados pelas companhias filiais Edelweiss e Eurowings, anunciou que tem estado em contacto com o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Berlim no sentido de iniciar o repatriamento dos cidadãos alemães que se encontram no Egipto.

A companhia aérea Air France anunciou precisamente o mesmo procedimento em relação ao sobrevoo do Sinai e hoje as autoridades de Kiev proibiram as companhias aéreas ucranianas de sobrevoarem a região.

O Reino Unido e a Irlanda também suspenderam temporariamente os voos de e para a estância turística egípcia de Sharm El-Sheikh.

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Philip Hammond, afirmou, em declarações ao canal de informação Sky News, que o Reino Unido está a trabalhar com as autoridades egípcias para aplicar medidas de urgência, de forma a repatriar os turistas britânicos que estão em Sharm el-Sheikh.

Também hoje o Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, afirmou em Londres que o Egito está "totalmente preparado para cooperar com todos os amigos [do país]" para garantir a segurança dos turistas estrangeiros.

"Estamos totalmente preparados para cooperar com todos os nossos amigos para garantir que os nossos aeroportos têm a segurança necessária para as pessoas que acolhemos", disse o líder egípcio, após um encontro com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, na capital britânica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+