A+ / A-

Dinamarca

PM dinamarquesa ainda por recuperar depois de agressão de sexta-feira

11 jun, 2024 - 15:49 • Lusa

"É muito intimidante quando alguém ultrapassa o último limite físico que temos", partilhou Mette Frederiksen.

A+ / A-

A primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, admitiu esta terça-feira ainda não se sentir bem após ter sofrido um ligeiro traumatismo craniano depois de um homem a ter agredido sexta-feira em Copenhaga.

Na sua primeira entrevista televisiva depois do incidente, Frederiksen garantiu que vai continuar a trabalhar principalmente a partir do seu gabinete.

A primeira-ministra dinamarquesa não adiantou pormenores sobre a agressão, mas sublinhou que é "muito intimidante quando alguém ultrapassa o último limite físico que temos".

"Há um certo choque e surpresa nisso. [...] Provavelmente foi também uma acumulação de muitas outras coisas. Ameaças durante um longo período de tempo nas redes sociais que se agravaram, especialmente após a guerra no Médio Oriente. Gritar num espaço público. Talvez isso tenha sido a gota de água. Como ser humano, sinto-me atacado", disse Frederiksen.

"Mas não tenho dúvidas de que foi o primeiro-ministro que foi atingido. Desta forma, torna-se também uma espécie de ataque a todos nós. Preferia uma Dinamarca em que o primeiro-ministro pudesse ir trabalhar de bicicleta sem estar preocupado. Sou Mette na minha essência, mas sou a primeira-ministra do país. Portanto, uma instituição que não deve ser atacada como a polícia", prosseguiu.

Um homem polaco de 39 anos, residente na Dinamarca, foi detido e mantido em prisão preventiva até 20 de junho sob a acusação preliminar de violência contra uma pessoa em serviço público.

Na Dinamarca, as acusações preliminares estão a um passo das acusações formais, mas permitem que as autoridades mantenham os suspeitos de crimes sob custódia durante a investigação.

O motivo da agressão não é claro. Em tribunal, o polaco, que não foi identificado, terá elogiado Frederiksen como "uma excelente primeira-ministra" e os investigadores suspeitam que estava sob a influência de drogas e embriagado na altura do incidente, que ocorreu pouco antes das 18h00 locais de sexta-feira.

Segundo os meios de comunicação social, o homem dirigiu-se a Frederiksen e empurrou-a com força quando ela passava por uma das principais praças de Copenhaga. O homem bateu-lhe no braço direito com o punho cerrado.

Frederiksen não apareceu em público desde o ataque e não participou em eventos públicos do partido quando começaram a ser conhecidos os resultados das eleições de domingo para o Parlamento Europeu. O seu partido, os sociais-democratas, foi derrotado na votação.

Frederiksen, 46 anos, é primeira-ministra da Dinamarca desde 2019.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+