A+ / A-

Serviço Jesuíta aos Refugiados

Plano de imigração requer "esforço grande por parte do Estado"

08 jun, 2024 - 23:21

Serviço Jesuíta aos Refugiados considera positivo que o Governo não tenha acabado com a AIMA e pede um reforço dos meios humanos e tecnológicos da agência.

A+ / A-

Para que o Plano para a Imigração funcione, é necessário um "esforço grande por parte do Estado" e a colaboração “das organizações da sociedade civil e dos municípios”.

O alerta é deixado na Renascença pelo diretor-geral do Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), que considera positivo o facto de o Governo não ter acabado com a Agência para a Integração Migrações e Asilo (AIMA).

Ainda assim, André Costa Jorge defende que a “AIMA tem que funcionar no reforço dos meios humanos e no reforço dos meios tecnológicos que permitam o acelerar de processos” para que “não haja pendências na ordem dos milhares e que colocam em suspenso a vida das pessoas vários anos”.

“Temos pessoas há espera dois, três e quatro anos para que o Estado dê resposta às suas várias situações e à sua regularização”, acrescenta.

André Costa Jorge reconhece que o Plano do Governo reflete “o resultado de uma auscultação dos parceiros, da sociedade civil e das associações de imigrantes”.

O diretor-geral da JRS considera positivo o facto de o Governo, neste plano “se ter afastado dos discursos populistas que pretendem associar a imigração à criminalidade”.

Ainda assim, André Costa Jorge mostra-se preocupado com a eliminação da figura da manifestação de interesse que em seu entender “pode promover as situações de irregularidade e desproteção social”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+