A+ / A-

Eleições Europeias

Três em cada quatro euros doados aos partidos são de origem desconhecida

30 mai, 2024 - 18:36 • Diogo Camilo

Partidos da União Europeia receberam 662 milhões de euros entre 2019 e 2022. Do total, 97 milhões foram doados a partidos da direita radical. PS e PSD foram os partidos portugueses que mais dinheiro receberam, seguidos de CDS, Iniciativa Liberal e Chega.

A+ / A-

Três em cada quatro euros doados a partidos europeus têm origem desconhecida e a Alemanha é o país com mais doações anónimas. Entre 2019 e 2022, a direita radical arrecadou um total de 97 milhões de euros em donativos - quase 15% do total que os privados deram a partidos europeus.

Estas são as conclusões de uma investigação de um consórcio de 50 jornalistas de 24 países coordenado pela Follow the Money (uma plataforma de jornalismo de investigação), incluindo o jornal "Público", e analisou relatórios financeiros de mais de 200 partidos europeus que podem eleger eurodeputados nas próximas eleições entre 6 e 9 de junho.

Ao todo, os principais partidos da UE receberam 662 milhões de euros de particulares, empresas e outras organizações. Deste bolo, 97 mihões foram de donativos a partidos da direita radical.

Em Portugal, o Chega é o 5.º partido com assento parlamentar que mais donativos recolheu - 422 mil euros em quatro anos -, enquanto PS e PSD receberam cerca de um milhão de euros. À frente do partido de André Ventura estão ainda CDS (466 mil euros) e Iniciativa Liberal (447 mil euros). No total, os partidos representados no Parlamento receberam 6,9 milhões de euros entre 2019 e 2022.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+