A+ / A-

"Um dia memorável". Noruega reconhece Palestina

28 mai, 2024 - 15:19

O reconhecimento formal da Palestina como Estado pela Noruega entrou esta terça-feira em vigor.

A+ / A-

"A Noruega é, há mais de trinta anos, um dos países que mais tem lutado por um Estado palestiniano. Hoje, quando a Noruega oficialmente reconhece a Palestina como Estado, é um dia memorável na relação entre a Noruega e a Palestina", afirmou o Governo norueguês, num comunicado do ministro dos Negócios Estrangeiros, Espen Barth Eide, citado pela agência de notícias EFE.

A Noruega anunciou na semana passada que reconheceria a partir de hoje a Palestina como Estado, a par de Espanha e da Irlanda.

Dias depois, o Rei Harald V, chefe de Estado da Noruega, assinou a resolução, que foi entregue formalmente no domingo em Bruxelas ao primeiro-ministro palestiniano, Mohamed Mustafá.

A resolução entrou hoje em vigor.

"Foi importante poder entregar uma carta formal, em mão, ao primeiro-ministro Mohamed Mustafa. Valoriza muito o compromisso da Noruega com a Palestina e o nosso trabalho por uma solução com dois Estados [Israel e Palestina]. O reconhecimento é uma clara expressão de apoio às forças moderadas nos dois países", lê-se no comunicado de hoje de Espen Barth Eide.

O ministro norueguês disse, no mesmo texto, estar confiante em que a Autoridade Nacional Palestiniana continuará com a tarefa complicada de fazer reformas para governar "tanto na Cisjordânia como em Gaza depois de um cessar-fogo".

"É lamentável que o Governo israelita não mostre sinais de compromisso de forma construtiva. A comunidade internacional deve aumentar o apoio económico e político à Palestina e continuar a trabalhar por uma solução com dois Estados", acrescentou Espen Barth Eide.

O Governo norueguês não organizou hoje qualquer evento ou cerimónia pública a propósito do reconhecimento da Palestina, para além deste comunicado do ministro dos Negócios Estrangeiros.

Quanto ao Parlamento da Noruega, aprovou em novembro do ano passado uma resolução que instava o Governo a reconhecer a Palestina no momento em que pudesse ter "um efeito positivo para o processo de paz"

A oposição norueguesa (de direita) criticou a decisão do Governo, por considerar que não ocorre no momento certo.

Também Israel criticou Espanha, Irlanda e Noruega, argumentando que estes países enviam a mensagem aos palestinianos de que "o terrorismo compensa", numa referência ao grupo islamita Hamas.

O ministro israelita dos Negócios Estrangeiros, Israel Katz, acusou mesmo o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, de ser "cúmplice do genocídio judeu" por reconhecer o Estado palestiniano numa publicação hoje na rede social X.

Espanha aprovou o reconhecimento da Palestina numa reunião hoje do Conselho de Ministros e o mesmo deverá fazer o Governo da Irlanda.

Noruega, Espanha e Irlanda comprometeram-se a reconhecer formalmente a Palestina como Estado a partir de hoje, juntando-se a mais de 140 países que já o fizeram em todo o mundo num momento em que Israel tem em curso, desde outubro, uma ofensiva militar na Faixa de Gaza.

O conflito foi desencadeado pelo ataque em solo israelita do grupo islamita Hamas, que controla a Faixa de Gaza, em 07 de outubro de 2023, que causou cerca de 1.200 mortos e duas centenas de reféns, segundo as autoridades de Israel.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+