Tempo
|
A+ / A-

Dois ataques de grupo separatista causam pelo menos 20 mortos no Irão

04 abr, 2024 - 08:38 • Lusa

O grupo separatista sunita fez reféns em Chabahar, a cerca de 1.400 quilómetros a sudeste da capital Teerão, que foram libertados após horas de confrontos com as forças de segurança.

A+ / A-

Pelo menos 20 pessoas, incluindo cinco membros das forças de segurança, morreram em dois ataques separatistas na província de Sistão, no sul do Irão, informou a agência de notícias oficial iraniana IRNA esta quinta-feira.

A agência referiu que homens armados do grupo Jaish al-Adl (Exército da Justiça em árabe) atacaram, na noite de quarta-feira, instalações da Guarda Revolucionária Iraniana nas cidades de Rask e Chabahar.

O grupo separatista sunita fez reféns em Chabahar, a cerca de 1.400 quilómetros a sudeste da capital Teerão, que foram libertados após horas de confrontos com as forças de segurança.

Os confrontos causaram cinco mortos e dez feridos entre as forças de segurança, assim como oito mortos entre os agressores, avançou a IRNA, sem confirmar se a violência já tinha terminado.

O grupo Jaish al-Adl, formado por separatistas da etnia baluch, uma minoria de cerca de 10 milhões de pessoas espalhadas pelo Irão, Paquistão e Afeganistão, assumiu a responsabilidade pelos ataques através da plataforma de mensagens Telegram.

O Jaish al-Adl procura a independência da província de Sistão, que tem uma população maioritariamente sunita e onde operam grupos fundamentalistas que se opõem ao Governo xiita de Teerão.

A região, uma das menos desenvolvidas do Irão, serve também de base a grupos de contrabandistas e traficantes de droga, que aproveitam a porosa fronteira entre o Irão e o Paquistão.

O Jaish al-Adl, que Teerão considera uma organização terrorista, reivindicou a responsabilidade pelo ataque em que morreram 11 agentes da polícia, também na cidade de Rask, em dezembro, entre outros ataques nos últimos anos.

Em janeiro, o Irão lançou ataques aéreos contra o Baluchistão, uma província no sudoeste do vizinho Paquistão, visando o que Teerão disse serem esconderijos do grupo Jaish al-Adl, causando a morte de duas crianças.

Em resposta, o Paquistão chamou o embaixador em Teerão e lançou ataques aéreos contra os alegados refúgios de grupos separatistas do Baluchistão no interior do Irão, na província de Sistão, matando pelo menos nove pessoas.

A tensão entre o Paquistão e o Irão acabou por ser atenuada depois de os ministros dos Negócios Estrangeiros dos dois países se terem encontrado e prometido trabalhar em conjunto para melhorar a cooperação em matéria de segurança.

[Atualizado às 09h50]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+