Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Guerra Israel-Hamas

Palestina retoma processo para se tornar Estado-membro da ONU

01 abr, 2020 - 06:57 • Lusa

O pedido palestiniano recebeu o apoio da Organização para a Cooperação Islâmica, que sublinhou que, "até à data, 140 Estados-membros reconhecem o Estado da Palestina".

A+ / A-

A Palestina retomou oficialmente na terça-feira o procedimento para se tornar um Estado-membro de pleno direito da ONU, apesar da guerra entre Israel e o movimento islamita palestiniano Hamas na Faixa de Gaza.

Numa carta dirigida ao secretário-geral da ONU, o português António Guterres, o embaixador palestiniano junto das Nações Unidas, Riyad Mansur, pediu ao Conselho de Segurança que analise ainda este mês o pedido de adesão apresentado em 2011

Mansur disse que a ofensiva israelita torna a inclusão como um Estado-membro de pleno direito da ONU como uma das prioridades da Palestina, de acordo com a agência de notícias France-Presse (AFP), que citou o documento.

"Foi a comunidade internacional que decidiu criar dois Estados na Palestina em 1947. É dever da comunidade internacional, juntamente com o povo palestiniano, completar este processo admitindo a Palestina como Estado membro", declarou o diplomata.

"Estamos a mobilizar o maior número possível de países para nos apoiar neste esforço e esperamos que o Conselho de Segurança atue em abril", insistiu Mansur, referindo-se a uma reunião do órgão sobre a situação em Gaza, marcada para 18 de abril.

"A carta foi recebida e realizaremos consultas bilaterais para decidir o caminho a seguir", disse à AFP a presidência do Conselho de Segurança, exercida atualmente por Malta.

O pedido palestiniano recebeu o apoio da Organização para a Cooperação Islâmica, que sublinhou que, "até à data, 140 Estados-membros reconhecem o Estado da Palestina".

Na terça-feira, o primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sánchez, disse que o país prevê reconhecer o Estado palestiniano até julho, antes de iniciar uma visita a três países do Médio Oriente para abordar a situação em Gaza e o conflito israelo-palestiniano.

Sánchez acrescentou que espera novidades relacionadas com o Estado palestiniano nos próximos meses, no âmbito de instâncias como as Nações Unidas, e que levarão vários países a reconhecer também a Palestina.

Na semana passada, Espanha, Malta, Eslovénia e Irlanda anunciaram estarem prontos para reconhecer o Estado da Palestina e insistiram num "cessar-fogo imediato".

Os quatro países comprometeram-se a reconhecer o Estado palestiniano quando "se traduza numa contribuição positiva e as circunstâncias sejam as corretas".

A guerra em curso entre Israel e o Hamas foi desencadeada por um ataque em solo israelita do grupo islamita palestiniano que causou cerca de 1.200 mortos e duas centenas de reféns, de acordo com as autoridades israelitas.

A resposta de Israel, além de ter causado um nível elevado de destruição de infraestruturas em Gaza, matou cerca de 32.700 pessoas, indicaram as autoridades controladas pelo Hamas.

O grupo islamita, que governa Gaza desde 2007, é considerado como uma organização terrorista por Israel, Estados Unidos e União Europeia, entre outros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+