Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

​Faixa de Gaza

Ataque israelita que matou trabalhadores humanitários "não foi um azar"

03 abr, 2024 - 19:17 • Ricardo Vieira, com Reuters

Chef espanhol José Andrés, fundador da World Central Kitchen, garante que a organização não-governamental estava coordenada com as forças de Israel.

A+ / A-

O ataque israelita que matou sete trabalhadores humanitários na Faixa de Gaza “não foi um azar”, afirma o chef José Andrés, fundador da organização não-governamental World Central Kitchen (WCK).

Em declarações à agência Reuters, o conhecido cozinheiro espanhol acusa os militares de Israel de, na noite da tragédia, terem visado “sistematicamente, carro a carro”, a caravana onde seguiam os trabalhadores humanitários.

“Não foi uma situação de azar: ‘oops, largamos uma bomba no local errado”, acusa José Andrés, segundo o qual Israel conhecia as movimentações dos elementos da World Central Kitchen.

“Mesmo que não estivéssemos coordenados com eles [Forças de Defesa de Israel], nenhum país democrático e nenhum militar pode atacar civis e trabalhadores humanitários”, afirma o fundador da WCK.

José Andrés só não estava na Faixa de Gaza na altura do ataque, com a sua equipa, porque adiou a deslocação ao território palestiniano controlado pelo Hamas.

Os elementos da WCK foram atacados pelas forças israelitas pouco depois de terem supervisionado a descarga de 100 toneladas de alimentos que chegaram a Gaza por via marítima.

As forças armadas de Israel lá manifestaram “enorme tristeza” pelo incidente que o primeiro-ministro Netanyahu considerou não intencional.

As Nações Unidas anunciaram esta quarta-feira a suspensão dos movimentos noturnos das equipas do Programa Alimentar Mundial, pelo menos, durante as próximas 48 horas, para avaliar as condições de segurança.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+