A+ / A-

Polícia Judiciária ajuda a desmantelar grupo criminoso israelita

14 mar, 2024 - 10:55 • Olímpia Mairos

Grupo falsificava relógios de luxo e diamantes fora da União Europeia. Foram detidas 15 pessoas na Bélgica, Israel, Países Baixos e República Eslovaca.

A+ / A-

A Polícia Judiciária (PJ) participou numa operação da EUROPOL, liderada pelas autoridades belgas, com a finalidade de desmantelar um grupo criminoso organizado israelita por, alegadamente, produzir e importar relógios de luxo e diamantes falsificados, em Antuérpia, e da qual resultou a detenção de 15 suspeitos.

Em comunicado, a PJ informa que no âmbito da operação “Ozark”, que decorreu a 12 de março, “foram detidos 11 suspeitos na Bélgica, dois em Israel, um nos Países Baixos e um na República Eslovaca”.

“Foram, ainda, realizadas 26 buscas, das quais resultou a apreensão de diamantes, joias, relógios e veículos de luxo, vários dispositivos eletrónicos, cartões de crédito, dinheiro e documentação”, lê-se no documento.

Segundo a PJ, a organização criminosa fabricava relógios de luxo falsos fora da União Europeia, misturando peças originais com componentes falsos.

“Uma vez produzidos, importavam os relógios para a Bélgica e introduziam no mercado diamantes e relógios falsificados. Além de ludibriar os compradores, este modus operandi põe em causa a reputação do chamado ‘Distrito dos Diamantes’, em Antuérpia, local onde é aplicada uma certificação única a estes artigos de luxo”, indica.

Os detidos traficavam, ainda, cocaína e drogas sintéticas e ‘lavavam’ dinheiro através de esquemas complexos.

A Europol destacou para esta operação especialistas em criptomoedas e apoiou a investigação, promovendo o intercâmbio de informações e fornecendo coordenação operacional e apoio analítico.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+