A+ / A-

ONU avisa que guerra em Gaza pode levar a um conflito mais amplo

04 mar, 2024 - 11:50 • Lusa

Os Estados Unidos e o Reino Unido bombardearam repetidamente locais de lançamento de mísseis dos Huthis no Iémen para eliminar as armas que visam a navegação comercial.

A+ / A-

O Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos declarou esta segunda-feira recear que a guerra na Faixa de Gaza possa levar "a um conflito muito mais amplo", durante uma intervenção diante do Conselho de Segurança da ONU.

"Estou profundamente preocupado porque qualquer faísca neste barril de pólvora pode levar a um conflito muito mais amplo", afirmou Volker Türk, acrescentando que "isto teria implicações para todos os países do Médio Oriente e para muitos outros".

No seu discurso, onde apresentou o panorama mundial das principais violações dos direitos humanos, Türk afirmou que a guerra entre Israel e o Hamas já está a produzir efeitos regionais: no Líbano e no Iémen.

"A escalada militar no sul do Líbano entre Israel, o Hezbollah e outros grupos armados é extremamente preocupante", sublinhou Türk, relatando que os confrontos já provocaram 200 mortes no Líbano.

"Os incidentes em que civis, incluindo crianças, paramédicos e jornalistas foram mortos durante ataques devem ser investigados exaustivamente", exigiu, lembrando que cerca de 80 mil israelitas também foram deslocados das zonas fronteiriças de Israel.

"É imperativo fazer todo o possível para evitar um conflito mais amplo", insistiu o Alto-Comissário.

Segundo o Alto-Comissário da ONU, os rebeldes Huthis estão a perturbar o comércio marítimo global e a provocar o aumento dos preços de vários produtos ao lançar mísseis contra os navios no Mar Vermelho em apoio ao Hamas, gerando "um impacto particularmente significativo nos países em desenvolvimento".

"Existe um sério risco que o conflito se alastre ao próprio Iémen, com consequências potencialmente graves para a população iemenita, que já sofre com a crise humanitária gerada por uma década de guerra", referiu.

Os Estados Unidos e o Reino Unido bombardearam repetidamente locais de lançamento de mísseis dos Huthis no Iémen para eliminar as armas que visam a navegação comercial.

O ataque do grupo islamita Hamas a Israel em 7 de outubro causou a morte de cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis, de acordo com as autoridades israelitas.

Em retaliação, Israel prometeu a aniquilar o Hamas e as suas operações militares na Faixa de Gaza já causaram a morte de mais de 30 mil pessoas, a grande maioria destas mulheres e crianças, segundo o Ministério da Saúde do Hamas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+