Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Estado da Nação russa

"Um disparate". Putin diz que não quer atacar Europa, mas avisa que tem armas para o fazer

29 fev, 2024 - 09:40 • João Malheiro

O chefe de Estado da Rússia garante que "população manifesta um apoio claro" à guerra contra a Ucrânia e avisa que a retórica do Ocidente "promove um conflito com armas nucleares".

A+ / A-

Vladimir Putin acusa o Ocidente de "semear o conflito" pelo mundo e que a ideia da Rússia querer atacar a Europa "é um disparate".

Num discurso do Estado da nação russa a querer "apontar para o futuro", o Presidente russo acusou o bloco Ocidental de "trazer discórdia" e tentar "uma corrida às armas" para cansar e exaustar o país.

Expressa, ainda, que o Ocidente está a selecionar alvos para ataques no país, contudo avisa que "eles têm de perceber que também temos armas para atingir alvos no território deles".

" Querem fazer o que fizeram em muitas outras regiões. Eles falharam, isso é evidente", refere, no discurso.

O chefe de Estado da Rússia garante que "população manifesta um apoio claro" à guerra contra a Ucrânia e interrompeu o discurso para um minuto de silêncio em honra dos "heróis" que combatem em território ucraniano.

"Eu quero agradecer empresários trabalhadores que trabalham para os interesses da Rússia. Os negócios russos enviaram milhões de rubles a organizações que apoiam os nossos militares e as suas famílias", disse.

Assinalando que se está prestes a assinalar dez anos desde a anexação da Crimeia, que descreve como "a lendária primavera russa", Vladimir Putin promete "acabar com a guerra na Ucrânia, eliminar o nazismo e defender a soberania e segurança" do país. No entanto, rejeita um acordo de paz que não inclua o interesse nacional russo.

O Presidente russo acusa, ainda, o Ocidente de selecionar alvos para ataques no país, contudo avisa que "eles têm de perceber que também temos armas para atingir alvos no território deles".

Putin lamenta, igualmente, a russofobia que "cega pessoas" pelo mundo Ocidental e aponta que "sem uma Rússia estável, não há uma paz sólida no mundo".

Virando, de seguida, a sua intervenção para o panorama interno, o chefe de Estado reconhece que há famílias a receber rendimentos baixos e existe um decréscimo da taxa de natalidade do país.

"Grandes famílias têm de se tornar a norma. Nos próximos seis anos temos de ter natalidade sustentável", afirma.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    29 fev, 2024 Paços 12:33
    A NATO (com praticamente só uma voz de comando (EUA)) incentivou (até preparou terreno) para que houvesse um guerra na Ucrânia e agora parece estar a fazer o mesmo para que haja uma guerra Rússia Europa! O mais "engraçado" é que parece que a comunicação social está a fazer de pombo correio!

Destaques V+