Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Brasil

Bolsonaro quer "passar borracha no passado" e aministia para os invasores do Congresso

25 fev, 2024 - 17:55 • Maria Costa Lopes

O encontro em São Paulo foi convocado por Bolsonaro para se "defender de todas as acusações" de que tem sido alvo.

A+ / A-

O ex-presidente Jair Bolsonaro disse que quer passar "borracha no passado" durante um discurso numa marcha organizada por ele próprio em São Paulo.

Bolsonaro está a ser Investigado pela Polícia Federal por suspeita de ter tentado um golpe de Estado, o ex-presidente disse que "golpe é tanque na rua" e suplicou aos parlamentares que aprovem um projeto de amnistia para perdoar os "pobres coitados" condenados pelos atentados à Praça dos Três Poderes em 8 de janeiro de 2023, dia em que foram invadidos o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal (STF).

"Tem gente que sabe o que eu falaria, mas o que eu busco é a pacificação, é passar uma borracha no passado, é buscar uma maneira de nós vivermos em paz, é não continuarmos sobressaltados", disse Bolsonaro aos manifestantes, citado pela Globo.

Milhares de pessoas atenderam ao pedido de Jair Bolsonaro e saíram às ruas, este domingo, em São Paulo, Brasil, para mostrar o seu apoio.

A manifestação em apoio ao ex-presidente brasileiro estava marcada para começar oficialmente às 15h00 (hora local, 18h00 em Lisboa), mas horas antes milhares de apoiantes já enchiam a avenida paulista.

O encontro foi convocada por Bolsonaro no dia 12 de fevereiro, quatro dias após o ex-presidente e aliados serem alvo da investigação Tempus Veritatis, que tenta associá-los a uma suposta tentativa de golpe de Estado.

O ex-presidente tinha pedido que os manifestantes se vestissem de "verde e amarelo" e para não comparecerem "com qualquer faixa ou cartaz contra quem quer que seja".

Bolsonaro diz, numa mensagem vídeo deixada nas rede social X (antigo Twitter), que o objetivo é levar a cabo um "ato pacífico" para se "defender de todas as acusações" de que tem sido alvo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Timbo Caspite
    04 mar, 2024 Lisboa 14:56
    Uma semana se passou e não tocaram no assunto. Isto é assustador, pois dá margem para dizer que a comunicação social está mesmo conivente e está a abrandar a realidade.
  • Timbo Caspite
    26 fev, 2024 Lisboa 09:09
    É sabido por todos que a invasão de 08 de janeiro de 2023 nas instalações no Palácio do Planalto, em Brasília, fora orquestrada pelo próprio partido do atual presidente. Afinal de contas é este o partido que tem orquestrado diversas invasões e depredações à propriedades privadas ao longo dos anos. O discurso raso apresentado pela comunicação social internacional, principalmente as que possuem um viés socialista, não mostra a realidade do país dos tupiuniquins, realidade esta amarga e pesada por elevação da dívida pública, evasão de divisas, fechamento de empresas e postos de trabalho, e alta dos preços em produtos essenciais, principalmente alimentares. Até um jornalista português, Sérgio Tavares, fora detido pela Polícia Federal a ser cobrado explicações sobre seu viés político e isto não fora noticiado. Contudo, a manifestação organizada por diversas frentes, principalmente frentes que priorizam e valorizam Deus, a família, a nação e a liberdade de expressão, mostrou ao mundo que algo de errado se passa no Brasil e que os Poderes ali estão mesmo mal distribuidos. Penso que seja válido um olhar mais criterioso nas reportagens sobre esta nação e não apenas um "copiar-colar" da comunicação social do Estado. Façam o trabalho de vocês: investiguem.

Destaques V+