Tempo
|
A+ / A-

Dois anos de guerra na Ucrânia

"Viemos sem conhecer ninguém". Yulia trocou Kiev pelo Porto em busca de paz

23 fev, 2024 - 13:49 • André Rodrigues

Desde o início da guerra na Ucrânia, Portugal já acolheu mais de 55 mil refugiados daquele país. Boa parte são crianças, como o filho de Yulia que hoje tem quatro anos e ainda pergunta se as sirenes antiaéreas soam em Kiev: "É impossível estar-se preparado para isto."

A+ / A-
Ucrânia 2 anos. Testemunho de uma família em Portugal
Ouça aqui a reportagem

No início, foram as sirenes. Depois, foram os mísseis a rasgar os céus de Kiev, os tanques nas ruas da cidade, as explosões constantes.

Naquela madrugada de 24 de fevereiro de 2022, Yulia conta à Renascença que viveu o medo que nunca pensou um dia ter de enfrentar.

Foi há dois anos. E, por mais que passem, tudo isto continuará a ser lembrado como se tivesse acabado de acontecer.

É impossível estar-se preparado para isto. Nunca poderia imaginar que uma guerra real de larga escala pudesse acontecer no século XXI”, desabafa esta ucraniana que, até ao verão de 2022, resistiu em Kiev.

Depois, a realidade impôs-se e, com ela, o perigo de viver debaixo de bombardeamentos constantes.

Viemos sem conhecer ninguém”, conta Yulia que, juntamente com o marido, deixou Kiev lá atrás e encontrou no Porto o refúgio o mais longe possível de um conflito que nunca compreenderam.

Em troca da paz, este casal de ucranianos partiu ao desconhecido, sem família e sem amigos no país de acolhimento. E com um filho, na altura, com dois anos de idade.

Quando viemos para Portugal, ele não teve tempo para entender tudo. Mas ouviu todas as sirenes aéreas, as explosões. Ficava sempre muito assustado. A mudança para o novo ambiente seguro e calmo em Portugal ajudou-nos. Mas ainda hoje ele pergunta se ainda há tanques na Ucrânia e se ainda disparam”, conta

Para trás, ficaram familiares, amigos, uma vida inteira. Yulia é nutricionista, o marido é arquiteto. Ambos continuam a trabalhar à distância para a Ucrânia. A tecnologia é uma ajuda fundamental para que a vida possa continuar.

Os familiares mais próximos continuam em Kiev e, também, em Kharkiv. Yulia fala com eles todos os dias para pôr a conversa em dia. Para saber o que se passa, para tranquilizar quem resiste numa guerra que não se sabe quando há-de terminar.

Uma das poucas boas notícias é o facto de o marido ter conseguido escapar ao serviço militar imposto aos homens ucranianos, ao abrigo da lei marcial. Foi a deixa ideal para procurar um recomeço. Saíram da Ucrânia. Por eles e pelo filho.

Dois anos depois, Yulia anseia pela paz no seu país. E espera que a passagem por Portugal acabe o mais depressa possível, “quando o nosso céu for pacífico e seguro… porque não há lugar como a nossa casa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+