Tempo
|
A+ / A-

Guerra

Só cerca de 10% de europeus acredita na vitória da Ucrânia. Portugal é dos que mais defende apoios

21 fev, 2024 - 08:00 • João Malheiro

Maioria dos europeus ficaria "muito desapontada" com reeleição de Donald Trump nos EUA.

A+ / A-

Apesar da maioria dos europeus manter o apoio à Ucrânia, apenas cerca de 10% acredita que o país pode vencer a guerra contra a Rússia.

Segundo dados divulgados pelo European Council on Foreign Relations (ECFR), 37% da população de todos os países inquiridos acredita que o mais provável será um tratado de paz com conceções de parte a parte. Já, em média, 20% acredita numa vitória da Rússia.

Dos 12 países inquiridos, em média há mais pessoas que acreditam em convencer a Ucrânia a negociar um acordo com a Rússia do que a continuar a apoiar os esforços de guerra. A Hungria (64%), a Grécia (59%), a Itália (52%) e a Áustria (49%) são os países que mais acreditam nesta posição.

Portugal é um dos países que contraria a tendência, onde 48% dos inquiridos defende que se deve continuar a ajudar o país invadido. A Suécia (50%) e a Polónia (47%) são os outros dois países que mais veemente defendem o apoio ao esforço de guerra ucraniano.

Países de peso da União Europeia, como Alemanha, França e Espanha, têm opiniões praticamente divididas entre as duas opções, segundo o inquérito.

Noutro tema, uma média de 56% dos europeus admite que estaria "muito desapontado" com um cenário de reeleição de Donald Trump nos Estados Unidos. Portugal é dos cinco países em mais pessoas responderam negativamente a um novo mandato para o antigo chefe de Estado norte-americano.

Apenas a Hungria, liderada por Viktor Órban, próxima de Trump, é o único país em que os inquiridos estavam mais divididos entre quem ficaria satisfeito (27%) em vez de descontente (31%).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+