A+ / A-

“Trivialização do Holocausto”. Israel revoltado com Lula após acusações de genocídio

18 fev, 2024 - 15:12 • Diogo Camilo

Presidente brasileiro comparou o que está a acontecer na Faixa de Gaza com o povo palestiniano com Hitler e a morte de judeus na Segunda Guerra Mundial. Netanyahu diz que Lula "passou uma linha vermelha".

A+ / A-

Israel acusou este domingo Lula da Silva de “trivializar o Holocausto” depois de o presidente brasileiro ter comparado a situação na Faixa de Gaza ao que Hitler fez com judeus na Segunda Guerra Mundial.

"O que está a acontecer na Faixa de Gaza não é uma guerra, é um genocídio. O que está a acontecer na Faixa de Gaza com o povo palestiniano (...) já aconteceu quando Hitler decidiu matar os judeus", afirmou Lula da Silva durante a cimeira da União Africana, em Adis Abeba, na Etiópia.

"Esta não é uma guerra de soldados contra soldados. É uma guerra entre um Exército altamente preparado e mulheres e crianças", acrescentou. O chefe de Estado do Brasil também condenou o ataque do movimento islamita Hamas, chamando-o de ato terrorista.

Em resposta, o primeiro-ministro israelita acusa Lula de “trivializar” o Holocausto.

Esta é a trivialização do Holocausto e uma tentativa de ataque ao povo judeu e ao direito de Israel se auto-defender. Fazer comparações entre Israel e Nazis e Hitler é passar uma linha vermelha”, afirmou Benjamin Netanyahu em comunicado.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel comunicou que irá convocar o embaixador brasileiro no país para uma reprimenda, após os comentários que considera serem “vergonhosos e sérios”.

A guerra foi desencadeada por um ataque do Hamas, a 7 de outubro, contra o sul de Israel, que causou a morte a mais de 1.160 pessoas, a maioria civis, de acordo com uma contagem da agência France-Presse (AFP), a partir de dados oficiais israelitas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    18 fev, 2024 Paços 17:04
    Se o Netanyahu percebesse que a maior parte do mundo está revoltado com Israel, nem abria a boca!

Destaques V+