Tempo
|
A+ / A-

Ataques israelitas fazem mais de 50 mortos em Rafah

12 fev, 2024 - 02:19 • Redação com Agências

Istrael afirma ter resgatado dois reféns, durante a operação militar. Os bombardeamentos surgiram depois de Joe Biden ter pedido a Benjamin Netanyahu que garanta a segurança dos 1,3 milhões de palestinianos concentrados naquele território.

A+ / A-

A cidade de Rafah, no sul de Gaza, foi bombardeada pelas forças israelitas, durante a noite de domingo para segunda-feira. Segundo as autoridades locais, há registo de, pelo menos, 52 mortos e dezenas de feridos.

De acordo com a Agência Reuters, os bombardeamentos causaram o pânico generalizado na população, já que a maioria dos habitantes estava a dormir.

Várias dezenas de ataques, de maior intensidade do que nos últimos dias, atingiram os arredores desta cidade, que faz fronteira com o Egito, provocando nuvens de fumo, segundo as mesmas fontes.

As Forças de Defesa de Israel confirmam que realizaram "uma série de ataques" na cidade de Rafah. Afirmam ter atacado alvos terroristas e adiantam que "foram libertados dois reféns durante um ataque das forças especiais". Um porta-voz militar israelita diz que "os reféns estão em boas condições" e "foram transportados ao hospital para fazerem exames médicos".

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, ordenou ao seu exército que preparasse uma ofensiva contra Rafah.

Um porta-voz militar israelita, contatado pela AFP, não comentou imediatamente.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, declarou no domingo que o exército israelita garantirá "uma passagem segura" antes do assalto previsto à cidade de Rafah, na Faixa de Gaza, numa entrevista a um canal de televisão norte-americano.

A população desta cidade no extremo sul do território costeiro, mais do que quintuplicou nas últimas semanas, com a chegada de centenas de milhares de pessoas que fogem da guerra.

Mais de 1,3 milhões de palestinianos refugiaram-se ali e a comunidade internacional está preocupada com a sua proteção após Netanyahu ter ordenado ao exército que preparasse uma ofensiva em Rafah.

O Hamas alertou para "uma catástrofe e um massacre que poderá resultar em dezenas de milhares" de mortos.

O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, afirmou que uma ofensiva em Rafah "conduziria a uma catástrofe humanitária indescritível".

O Presidente norte-americano, Joe Biden, pediu ao primeiro-ministro de Israel que garanta a segurança dos 1,3 milhões de palestinianos concentrados em Rafah.

Num telefonema no domingo de manhã com Benjamin Netanyahu, Joe Biden “reafirmou a opinião de que uma operação militar em Rafah não deve prosseguir sem um plano credível e exequível para garantir a segurança e o apoio ao mais de um milhão de pessoas que aí se encontram abrigadas”, segundo um comunicado da Casa Branca.

[Notícia atualizada às 04h15 com novo balanço de vítimas]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+