A+ / A-

Quadros de Picasso e Chagall roubados há 14 anos localizados em cave na Bélgica

18 jan, 2024 - 00:44 • Lusa

A investigação começou no final de 2022, quando a força policial foi informada de que um residente de Namur tinha colocado à venda as duas obras.

A+ / A-

Duas pinturas roubadas em 2010 em Israel, uma de Pablo Picasso e outra de Marc Chagall, foram localizadas numa cave, com condições especiais de acondicionamento, na cidade belga de Antuérpia.

Os quadros localizados são "A Cabeça", de Picasso, e "O Homem em Oração", de Chagall, de acordo com os meios de comunicação social belgas, citados pela agência Efe.

As obras, roubadas em fevereiro de 2010 de um colecionador de arte de Telavive, foram localizadas na semana passada após uma investigação realizada pela polícia judiciária federal em Namur, na região da Valónia.

A investigação começou no final de 2022, quando a força policial foi informada de que um residente de Namur tinha colocado à venda as duas obras.

As investigações desencadeadas ao longo de 2023 levaram à conclusão de que o suspeito estava na posse das obras e que as poderia estar a guardar na sua casa ou de um familiar.

Mas só na semana passada é que a Polícia Judiciária de Namur procedeu a duas buscas, a pedido do juiz de instrução, na casa do principal suspeito.

Na casa do homem, que está detido, foi encontrada uma grande quantia em dinheiro, mas não as pinturas e embora este tenha confessado que as tinha, a princípio não quis dizer onde.

Por fim, as pinturas foram encontradas numa cave da cidade portuária de Antuérpia, na região da Flandres, que foi especialmente acondicionada, para que as obras estivessem em perfeito estado e até com as molduras originais.

No momento do roubo, as referidas obras estavam avaliadas em 900 mil dólares (cerca de 826 mil euros, à taxa de câmbio atual).

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+