A+ / A-

Morte de refém português confirmada pela embaixada de Israel

16 jan, 2024 - 22:43

Hamas já tinha divulgado um vídeo que mostrava o corpo de Yossi Sharabi e um outro refém, Itai Svirsky, de 38 anos.

A+ / A-

A morte do luso-israelita, Yossi Sharabi, que se encontrava detido pelo Hamas foi confirmada, esta terça-feira, pelas autoridades israelitas, informa o embaixador de Israel em Portugal.

Dor Shapira diz, numa publicação na rede social X (antigo Twitter), "o nosso coração está destroçado".

"Esta noite foi anunciado oficialmente pelas autoridades israelitas que Yossi Sharabi foi assassinado enquanto estava em cativeiro", lê-se na mesma publicação.

Este anúncio representa a primeira notificação pública oficial da morte de Yossi Sharabi.

Na segunda-feira, o Hamas divulgou um vídeo que alegadamente mostrava o corpo de Yossi Sharabi e um outro refém, Itai Svirsky, de 38 anos.

Segundo o relato de um terceiro refém, Noa Argamani, de 26 anos, os dois reféns foram mortos em bombardeamentos israelitas. Um alegação rejeitada pelas forças de defesa israelitas.

Yossi pediu para "parar com a guerra".

“O meu nome é Yossi Sharabi, tenho 53 anos. Devemos parar com a guerra agora”, são as duas frases que pronuncia no vídeo, no qual também aparecem Noa Argamani, de 26 anos, e Itai Svirsky, de 38 anos.

Yossi foi raptado do kibutz Be’eri na manhã de 8 de outubro, enquanto a sua mulher e três filhos conseguiram fugir.

A mulher de Yossi Sharabi, Nira, esteve em Portugal em dezembro do ano passado. Na altura, pediu ajuda ao Governo e a António Costa para a libertação do marido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+