A+ / A-

9.062 casos desde 1 de outubro

Moçambique. Quase 270 novos casos de cólera em quatro dias

12 jan, 2024 - 08:57

Nos últimos dias não se registaram óbitos por cólera, mas desde outubro já morreram 25 pessoas.

A+ / A-

As autoridades sanitárias moçambicanas registaram em apenas quatro dias quase 270 novos casos de cólera em todo o país, segundo dados oficiais do Ministério da Saúde consultados esta sexta-feira pela Lusa.

De acordo com o mais recente boletim sobre a progressão da doença, elaborado pela Direção Nacional de Saúde Pública e com dados até 10 de janeiro, estava contabilizado no país um acumulado de 9.062 casos de cólera desde 1 de outubro último, com 25 mortos.

Nos últimos quatro dias não se registaram óbitos por cólera, mas foram confirmados 269 novos casos da doença em todo o país, segundo o boletim.

A taxa de letalidade provocada por este surto mantém-se em 0,3%, segundo o boletim, que identifica perto de 30 distritos com casos de cólera ativos.

A província mais afetada pela atual vaga deste surto de cólera é Nampula (norte), com um acumulado de 2.905 casos e 12 óbitos, seguida de Tete (noroeste), com 1.871 casos e seis óbitos.

Esta sexta-feira é o último de cinco dias em que decorre em nove distritos de Moçambique, os mais afetados pelo atual surto da doença, uma campanha de vacinação contra a cólera, prevendo chegar a mais de 2,2 milhões de pessoas.

De acordo com informação da Direção Nacional de Saúde Pública, esta campanha destina-se à população com idade igual ou superior a um ano e será realizada nos distritos de Chiúre e Montepuez (província de Cabo Delgado), Gilé, Gurué e Mocuba (Zambézia), Mágoe, Moatize e Zumbo (Tete) e Maringue (Sofala).

"O país está a responder ao recrudescimento do surto que se verifica desde outubro de 2023", aponta a Direção Nacional de Saúde Pública.

"O grupo-alvo desta intervenção é de 2.271.136 pessoas, correspondente à população que vive nas áreas mais vulneráveis e de foco para o atual surto", refere a mesma informação.

A Direção acrescenta que, "para que a campanha decorra sem sobressaltos e os objetivos sejam alcançados", foram mobilizadas para esta operação 1.136 equipas, com 7.337 elementos, incluindo vacinadores, mobilizadores, registadores, supervisores, coordenadores, pessoal para digitar de dados, logísticos e motoristas, entre outros.

"Igualmente, foram mobilizados cerca de 1,3 milhões de dólares americanos [1,19 milhões de euros], para a realização da campanha. Este valor inclui fundos do Governo e dos Parceiros de Cooperação", reconhece ainda.

A implementação da campanha prevê a vacinação em postos fixos nas unidades sanitárias e com recurso a brigadas móveis nos locais de maior concentração populacional previamente estabelecidos, como mercados, campo de futebol, locais de comícios, sede dos postos administrativos, localidades e outros.

"E, sempre que se justificar, adotar-se-á a estratégia porta a porta", refere a Direção Nacional de Saúde Pública, acrescentando que, "para evitar duplicações ou falhas e permitir uma melhor avaliação pós campanha", as pessoas vacinadas vão receber um cartão, "como prova de vacinação e que deverão conservá-lo".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+