Tempo
|
A+ / A-

Redes sociais serão cada vez mais dominantes na distribuição de conteúdos

10 jan, 2024 - 08:43 • Lusa

Há cada vez "mais vídeos curtos, vídeos verticais, porque a maior parte dos consumos são feitos no telemóvel", diz Miguel Crespo, jornalista e investigador.

A+ / A-

As redes sociais vão aumentar o seu domínio na distribuição de notícias, segundo um relatório do observatório Iberifier, que conclui que os media terão que adaptar as suas estratégias num cenário de "saturação de informação".

Esta é uma das tendências traçadas para 2025/2030 num estudo do Observatório Ibérico de Media Digitais e da Desinformação (Iberifier), a partir de entrevistas a 71 peritos sobre 16 áreas - da IA às novas narrativas, das redes sociais à "big data" - que resultaram num texto síntese, submetido depois à opinião de 101 diretores e responsáveis de media de Portugal e Espanha.

Os media, lê-se no estudo, terão de adaptar as suas estratégias de comunicação "a um contexto de alteração de algoritmos e de saturação de informação, mais radical que nunca".

Em entrevista à Lusa, Miguel Crespo, jornalista e investigador do observatório, afirmou que o consumo de notícias ou conteúdos é cada vez mais fragmentado, multicanal, o que não está diretamente relacionado com a IA.

É uma tendência que tem vindo a desenvolver-se "desde que há Internet, que aumentou exponencialmente com as redes sociais e que, com a personalização das plataformas e que inteligência artificial vai ajudar ainda mais, esse conteúdo será cada vez mais multicanal".

"Eu leio uma informação num "site", vejo um TikTok, vejo no Instagram, vejo no X com televisão, ouço rádio e tudo isto é cada vez mais misturado", descreve.

O que acontece nestes consumos de redes sociais, mas não só, acrescenta, há cada vez "mais vídeos curtos, vídeos verticais, porque a maior parte dos consumos são feitos no telemóvel".

Este "vídeos verticais" são uma evolução recente com o TikTok, que "veio quase destruir a narrativa audiovisual que o Instagram criou de coisas muito elaboradas para vídeos muito curtos, vídeos com lógicas explicativas, com um tom mais natural, mais acessível e sem uma construção da realidade com filtros", explicou.

O Iberifier é um projeto que visa combater a desinformação e integra 23 centros de investigação e universidades ibéricas, as agências noticiosas portuguesa, Lusa, e espanhola, EFE, e "fact checkers" como o Polígrafo e Prova dos Factos - Público, de Portugal, e Maldita.es e Efe Verifica, de Espanha.

O observatório produziu um relatório de análise das tendências e inovações do ecossistema mediático em Portugal e Espanha 2025/2030, que hoje é divulgado, e conclui que os media vão passar pela "revolução" da IA, que vai exigir fazer mais verificação ("fact checking") no combate à desinformação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JM
    10 jan, 2024 Seixal 14:47
    Ou seja, vão aumentar a bitola do esgoto da internet...

Destaques V+