Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Presidente de Taiwan apela a Pequim para adotar "coexistência pacífica"

01 jan, 2024 - 12:54 • Lusa

As eleições presidenciais e legislativas em Taiwan, que se realizam a 13 de janeiro, vão ser acompanhadas de perto pela China e pelos Estados Unidos.

A+ / A-

A Presidente de Taiwan afirmou, esta segunda-feria, esperar uma "coexistência pacífica" a longo prazo entre Taipé e Pequim e sublinhou que o futuro das relações deve ser decidido pelos "procedimentos democráticos" da ilha, que em breve realiza eleições.

"Esperamos que os dois lados [do Estreito de Taiwan] retomem o mais rapidamente possível intercâmbios saudáveis e sustentáveis", declarou Tsai Ing-wen no discurso de Ano Novo, o último antes do fim do mandato, em maio.

"Esperamos também que as duas partes procurem conjuntamente uma via, estável e a longo prazo, para uma coexistência pacífica", acrescentou.

As eleições presidenciais e legislativas em Taiwan, que se realizam a 13 de janeiro, vão ser acompanhadas de perto pela China e pelos Estados Unidos, devido à importância que têm para o futuro das relações entre a ilha e Pequim.

A China, que considera Taiwan parte integrante do seu território, há muito promete voltar a integrar a ilha, recorrendo à força se necessário.

A China cortou as comunicações de alto nível com o Governo de Tsai desde que a líder foi eleita, em 2016, e aumentou a pressão militar, diplomática e económica sobre o território.

Tsai, que se recusa a reconhecer as reivindicações territoriais da China, afirmou no discurso a necessidade de Taiwan defender a democracia.

"Face ao regresso do conflito entre democracia, liberdade e autoritarismo no mundo, a única escolha para Taiwan no futuro é continuar a defender a democracia e proteger a paz", declarou.

No domingo, o Presidente chinês, Xi Jinping, afirmou que a China será "certamente reunificada" e que "todos os chineses de ambos os lados do Estreito de Taiwan devem estar ligados por um objetivo comum e partilhar a glória da renovação da nação chinesa".

"As decisões devem ser tomadas de acordo com a vontade comum do povo taiwanês. Afinal de contas, somos um país democrático", disse Tsai aos jornalistas após as declarações de Xi.

"O tipo de relação que estabeleceremos com a China no futuro deve ser determinado pelos nossos procedimentos democráticos com o objetivo de chegar a uma decisão final", acrescentou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+