A+ / A-

Novo diretor-geral da Cruz Vermelha é antigo líder da agência da ONU para os palestinianos

22 dez, 2023 - 21:22 • Lusa

O suíço, que tem mais de 30 anos de experiência no setor humanitário, assumirá o cargo em 01 de abril de 2024.

A+ / A-

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) nomeou, esta sexta-feira, Pierre Krähenbühl como o próximo diretor-geral, um veterano da organização que teve um mandato turbulento à frente da agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos (UNRWA).

"A Assembleia do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) nomeou Pierre Krähenbühl como o próximo diretor-geral da organização", refere um comunicado da organização, com sede em Genebra.

O suíço, que tem mais de 30 anos de experiência no setor humanitário, assumirá o cargo em 01 de abril de 2024, quando terminar o mandato de quatro anos de Robert Mardini.

Pierre Krähenbühl, 57 anos, ocupou altos cargos no CICV durante 25 anos e é atualmente secretário-geral da Assembleia do Comité.

"É reconhecido como um líder estratégico e motivado, com uma vasta experiência organizacional e um forte compromisso com o CICV", refere o comunicado de imprensa.

Para além da sua longa experiência na Cruz Vermelha, Krähenbühl foi nomeado comissário-geral da UNRWA em 2014.

Demitiu-se deste cargo em 2019, no contexto de uma investigação interna sobre alegações de má gestão e abuso dentro da organização, mas foi amplamente ilibado.

Na altura, a UNRWA enfrentava ataques implacáveis da administração norte-americana de Donald Trump, que, tal como Israel, acusava a agência de ser parcial no conflito israelo-palestiniano.

Em 2018, Washington decidiu suspender e depois eliminar completamente a contribuição dos EUA para o orçamento da agência, privando-a da sua principal fonte de receitas.

A chegada de Joe Biden à Presidência dos EUA restabeleceu o apoio financeiro.

Pierre Krähenbühl vai gerir as operações quotidianas de um CICV em grandes dificuldades.

O dinheiro é escasso, a organização está a ter de reduzir drasticamente certas operações e vai suprimir muitos postos de trabalho.

O CICV está também sob uma pressão considerável devido ao conflito israelo-palestiniano e, em particular, à sua resposta à guerra em Gaza.

A organização, fundada há 160 anos para atuar como intermediário neutro entre as partes beligerantes e para visitar e ajudar os prisioneiros de guerra, foi acusada por ambas as partes no conflito entre Israel e o Hamas de parcialidade e de não fazer o suficiente pelos reféns detidos na Faixa de Gaza.

Esta semana, a presidente do CICV, Mirjana Spoljaric, sublinhou mais uma vez a importância de manter a neutralidade da organização nesta guerra, tal como em todos os conflitos e crises.

"Abandonar a neutralidade e adotar uma prática de denúncia pública tornar-nos-ia inúteis", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+