A+ / A-

Gaza. Dezenas de mortos e feridos devido a bombardeamentos israelitas

16 dez, 2023 - 10:57 • Lusa

O cerco ao hospital Kamal Adwan em Beit Lahia mantém-se pelo oitavo dia consecutivo, provocando uma grave escassez de alimentos e água.

A+ / A-

Dezenas de pessoas morreram ou ficaram feridas na madrugada de hoje devido aos contínuos bombardeamentos israelitas sobre a maior parte da Faixa de Gaza, que mantiveram as comunicações cortadas pelo terceiro dia consecutivo.

Pelo menos 14 pessoas foram mortas em Jabalia, no norte da Faixa de Gaza, e dezenas ficaram feridas num bombardeamento de uma casa, enquanto "um grande número" de pessoas ficou preso sob os escombros, informou a agência noticiosa oficial palestiniana Wafa.

"Um jovem foi também morto na zona de Tal al-Zaatar, no norte de Gaza, depois de um atirador israelita o ter alvejado no interior da sua casa", acrescentou a agência.

O cerco ao hospital Kamal Adwan em Beit Lahia - uma das poucas instalações médicas que estavam a funcionar no norte do enclave - mantém-se pelo oitavo dia consecutivo, provocando uma grave escassez de alimentos e água.

"As forças de ocupação ordenaram a todo o pessoal médico, aos feridos e aos presentes que abandonassem o local e se reunissem nos seus pátios ao frio, enquanto 12 bebés são mantidos em incubadoras sem água, comida ou cuidados médicos", denunciou a Wafa com base em relatos de testemunhas oculares.

"As forças destruíram igualmente a parte sul do hospital e continuam a atacar todos os que aí se deslocam", acrescenta.

Nas últimas horas, foram também registados bombardeamentos perto da escola de al-Mazra, em Deir al-Balah, e do campo de refugiados de Bureij, no centro da Faixa de Gaza. No sul, foram atacados os bairros de Khan Younis e Rafah, no extremo sul, uma zona supostamente declarada "zona humanitária" segura pelas tropas israelitas.

"Os navios de guerra da ocupação também abriram fogo com metralhadoras pesadas nas costas da província de Rafah, no sul", disse Wafa.

Centenas de pessoas compareceram hoje no funeral do operador de câmara da Al Jazeera, Samer Abu Daqa, que morreu na sexta-feira depois de uma escola da UNRWA em Rafah ter sido bombardeada e sangrado até à morte após horas de espera por uma ambulância, que as tropas israelitas recusaram permitir o acesso à área, disse a rede.

"Continuaremos a cumprir com o nosso trabalho como jornalistas com profissionalismo e transparência", afirmou Wael Dahdouh, diretor da Al Jazeera na Faixa de Gaza, que sobreviveu ao ataque que matou Daqa e há semanas perdeu toda a sua família, mulher e filhos, num ataque israelita "deliberado" à sua casa na cidade de Gaza, há algumas semanas, disse no funeral.

Com Daqa, 64 jornalistas palestinianos e funcionários dos meios de comunicação social foram mortos na Faixa de Gaza durante a ofensiva israelita, segundo o Comité para a Proteção dos Jornalistas.

Além disso, subúrbios da cidade de Gaza, como Shujaiya, Tuffah e Daraj, considerados bastiões do Hamas, também foram bombardeados a partir do ar, enquanto se desenrolam intensos combates no terreno.

Após 71 dias de ofensiva na Faixa de Gaza, o Exército israelita cometeu mais de 1.800 massacres, nos quais mais de 18.800 habitantes de Gaza - incluindo 8.000 crianças e 6.200 mulheres - foram mortos, estima-se que 7.500 corpos estejam ainda presos sob os escombros e que mais de 51.000 pessoas tenham ficado feridas, de acordo com os últimos dados do ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas.

No entanto, estes números podem ser mais elevados devido às dificuldades do ministério em contactar os hospitais e os governos locais para atualizar os dados, uma situação agravada pelo quinto corte total da Internet e das comunicações desde o início da ofensiva terrestre no enclave e que se prolonga hoje pelo terceiro dia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+