Tempo
|
A+ / A-

Japão

Taxista detido por atropelar pombo

07 dez, 2023 - 16:12 • Marta Pedreira Mixão

Motorista disse à polícia que tinha ido contra as aves porque "as estradas são para as pessoas. Cabe aos pombos evitar os carros".

A+ / A-

Um taxista foi detido em Tóquio por suspeita de ter conduzido de forma deliberada contra um bando de pombos, acabando por matar uma ave. O incidente ocorreu no mês passado.

Segundo o porta-voz da polícia de Tóquio à Agence France-Presse, o suspeito Atsushi Ozawa, de 50 anos, "usou o seu carro para matar um pombo comum, que não é um animal de caça".

Embora um número limitado de pombos cinegéticos possa ser caçado legalmente no Japão, os pombos "urbanos" só podem ser mortos se forem considerados, de forma devidamente comprovada, um incómodo - por exemplo, se causarem danos às culturas e ao gado. Mesmo assim, o abate só se pode realizar com a aprovação das autoridades locais.

Ozawa disse à polícia que tinha ido contra as aves porque "as estradas são para as pessoas. Cabe aos pombos evitar os carros", segundo a imprensa local.

De acordo com os meios de comunicação japoneses, o taxista terá arrancado dos semáforos depois de estes terem ficado verdes e embateu nas aves a uma velocidade de 60 km/h.

O alegado incidente foi comunicado à polícia por um transeunte que foi alertado pelo som do motor de um carro quando este acelerou.

Um veterinário efetuou um exame

post-mortem ao pombo e determinou que a causa da morte foi um choque traumático.

Dado o seu trabalho como motorista profissional, a polícia descreveu as ações do taxista como "altamente maliciosas", o que os levou a proceder a uma detenção invulgar, informou a rede Fuji TV.

Ao contrário da relação de empatia com os pombos, Tóquio tem um problema com corvos - cerca de 36 mil na cidade - e, em 2001, o então governador, Shintaro Ishihara, declarou "guerra" a estas aves e a população de corvos da capital diminuiu em cerca de dois terços nas décadas seguintes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+