Tempo
|
A+ / A-

Boris Johnson pede desculpa, mas garante que fez o melhor possível na pandemia

06 dez, 2023 - 13:33 • Lusa

O antigo primeiro-ministro do Reino Unido está a responder num inquérito público, em Londres, relacionado com a Covid-19. Familiares das vítimas da pandemia manifestaram-se, dentro e fora do edifício onde decorrem as audiências.

A+ / A-

O antigo primeiro-ministro britânico Boris Johnson pediu esta quarta-feira desculpa, mas defendeu a gestão da pandemia de covid-19, argumentando que o Governo "errou em algumas coisas", mas fez o melhor que pôde.

No primeiro de dois dias de audições durante um inquérito público, em Londres, Johnson começou o depoimento com um pedido de desculpas "pela dor, perda e sofrimento das vítimas da covid".

A declaração foi interrompida por quatro pessoas que se levantaram no tribunal e seguraram cartazes onde se lia "Os mortos não podem ouvir as suas desculpas", as quais foram escoltadas para fora da sala pelos seguranças.

Johnson chegou ao local do inquérito muito cedo, várias horas antes da hora prevista para depor, evitando um protesto de familiares das vítimas à porta do edifício na capital britânica.

Questionado sobre se considera que algum dos seus erros era evitável, Johnson sublinhou: "Em retrospetiva, há muitas coisas que poderíamos ter feito de forma diferente".

"Inevitavelmente, no decurso da tentativa de lidar com uma pandemia muito, muito difícil, em que tivemos de contrabalançar efeitos nocivos para ambos os lados da decisão, podemos ter cometido erros", reconheceu.

"Inevitavelmente, enganámo-nos em algumas coisas. Penso que, na altura, estávamos a fazer o nosso melhor", acrescentou.

Festas em Downing Street na base da demissão de Johnson

Boris Johnson renunciou ao cargo em meados de 2022, após múltiplos escândalos éticos, incluindo a revelação de que ele e membros da sua equipa organizaram festas na residência oficial do primeiro-ministro em Downing Street em 2020 e 2021, desrespeitando as restrições de confinamento impostas pelo Governo.

Nas últimas semanas, antigos colegas e assessores retrataram a administração de Johnson de forma negativa, nomeadamente sobre a indecisão sobre a tomada de medidas e o atraso dos confinamentos. Mensagens escritas partilhadas na altura aludem a um ambiente de trabalho tóxico e machista.

O Reino Unido registou um dos números mais elevados de mortes de covid-19 na Europa, mais de 232.000 pessoas, de acordo com as estatísticas oficiais.

Johnson concordou no final de 2021 em realizar um inquérito público após forte pressão das famílias enlutadas, liderado pela juíza aposentada Heather Hallett, o qual deverá levar três anos para ser concluído, embora relatórios provisórios sejam esperados a partir do próximo ano.

O inquérito está dividido em quatro fases, estando a fase atual centrada na tomada de decisões políticas. A primeira fase, que terminou em julho, analisou o grau de preparação do país para a pandemia.

Johnson não entregou cerca de 5 mil mensagens WhatsApp ao longo de várias semanas importantes entre fevereiro e junho de 2020, alegando problemas técnicos.

"Não retirei nenhuma mensagem do meu telemóvel", garantiu

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+