A+ / A-

Guerra Israel-Hamas

Soldados israelitas "no coração de Khan Younis"

05 dez, 2023 - 19:16 • Marta Pedreira Mixão , com agências

Forças israelitas falam no "dia mais intenso" de combates desde o início da invasão a Gaza.

A+ / A-

As forças israelitas estão no "coração" do campo de Khan Younis e registaram o dia mais intenso de combates, desde o início do ataque terrestre, com ofensivas intensificadas no norte e no sul da Faixa de Gaza.

"O dia mais intenso desde o início da operação terrestre - em termos de terroristas mortos, do número de tiroteios e da utilização do poder de fogo terrestre e aéreo", refere Yaron Finkelman, comandante das Forças de Defesa de Israel (IDF).

Segundo um comunicado, as forças israelitas estão a combater "no coração de Jabaliya, no coração de Shujai'iya e agora também no coração de Khan Younis".

Os bombardeamentos em Khan Younis, no sul da faixa costeira, intensificaram-se e é esperada incursão terrestre em larga escala. Veículos blindados teriam tomado posições na secção sul da principal autoestrada norte-sul que atravessa Gaza.

As autoridades sanitárias de Gaza afirmaram que, pelo menos, 45 pessoas foram mortas num ataque aéreo israelita contra casas na cidade de Deir al-Balah, esta terça-feira.

O diretor do Hospital Shuhada Al-Aqsa, em Deir al-Balah, relatou em declarações à Reuters que, esta terça-feira, tinham recebido 45 vítimas dos bombardeamentos israelitas.

As IDF afirmaram também, esta terça-feira, que tinham montado um ataque no coração do campo de refugiados de Jabaliya, no norte de Gaza, e que os para-quedistas e os comandos da marinha tinham invadido o quartel-general de segurança do Hamas. Foram também registados fortes combates em Shujai'iya, outro reduto do Hamas no norte. O porta-voz das IDF, o tenente-coronel Richard Hecht, afirmou que os combates no norte tinham sido "de curta distância e cara a cara".

De acordo com o gabinete de imprensa de Gaza, pelo menos,16.248 pessoas morreram desde 7 de outubro, das quais 7.112 vítimas são crianças e 4.885 mulheres.

Os bombardeamentos israelitas contra a segunda cidade de Gaza, Khan Younis, no sul da faixa costeira, intensificaram-se antes de uma esperada incursão terrestre. O comandante militar de topo de Israel, o tenente-general Herzi Halevi, afirmou que as suas forças estão a cercar a cidade de Khan Younis, no sul de Gaza, ao anunciar a "terceira fase" da ofensiva terrestre de Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza.
As forças israelitas mataram pelo menos 16.248 pessoas, incluindo 7.112 crianças e 4.885 mulheres, em Gaza desde 7 de outubro, segundo um comunicado do gabinete de imprensa do Hamas. Pelo menos 43.616 pessoas ficaram feridas e pelo menos 7.600 pessoas estão desaparecidas, de acordo com o comunicado de terça-feira. As autoridades sanitárias de Gaza afirmaram que pelo menos 45 pessoas foram mortas num ataque aéreo israelita contra casas em Deir al-Balah, no centro de Gaza, na terça-feira.
"A situação está a piorar de hora a hora", disse Richard Peeperkorn, representante da OMS no território palestiniano ocupado, aos meios de comunicação social através de uma ligação vídeo a partir de Gaza.

A chefe da ajuda humanitária dos EUA anunciou um novo apoio ao povo palestiniano durante uma visita à península do Sinai, no Egipto. Samantha Power, a administradora da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), anunciou 21 milhões de dólares (perto de 19,5 milhões de euros), que incluirá material de higiene e abrigo e alimentos para a população de Gaza, durante a sua deslocação à cidade egípcia de El-Arish, a porta de entrada da passagem de Rafah para Gaza.

Por sua vez, primeiro-ministro do Qatar afirmou que as conversações de mediação continuam a decorrer com o objetivo de pôr fim à guerra. "O Qatar continua a esforçar-se por restabelecer as tréguas, libertar os reféns e trocar os prisioneiros", declarou na terça-feira o xeque Mohammed Bin Abdulrahman al-Thani.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+