Tempo
|
A+ / A-

França bloqueia bens do líder do Hamas na Faixa de Gaza

05 dez, 2023 - 11:28 • Lusa

O Ministério das Finanças de França ainda não esclareceu o montante relativo aos ativos bloqueados.

A+ / A-

A França bloqueou por seis meses os bens do líder do Hamas na Faixa de Gaza, Yahya Sinwar, considerado o arquiteto do ataque de 7 de outubro contra Israel, segundo um decreto publicado esta terça-feira no diário oficial francês.

"Os fundos e os recursos económicos que pertencem ou são controlados por Yahya Sinwar (...) estão sujeitos a uma medida de bloqueio de bens", especificou o decreto de 30 de novembro, que entrou hoje em vigor.

O Ministério das Finanças de França ainda não esclareceu o montante relativo a estes ativos bloqueados.

Yahya Sinwar, 61 anos, é considerado o arquiteto do ataque de 7 de outubro em Israel, que provocou mais de 1.200 mortos e ainda 240 raptados.

Em novembro, o secretário de Estado francês para a Europa, Laurence Boone, apelou ao estabelecimento de sanções europeias contra altos responsáveis do Hamas, principalmente financeiros, que poderiam assumir a forma de um bloqueio de ativos.

Num decreto semelhante datado de 13 de novembro, Paris anunciou que iria bloquear durante seis meses os bens de Mohammed Deif, que lidera o ramo militar do Hamas e está na lista dos "terroristas internacionais" mais procurados desde 2015 dos Estados Unidos.

Londres também impôs sanções - bloqueio de bens, embargos de armas, proibições de viagens -contra seis indivíduos: quatro líderes do Hamas e dois indivíduos acusados de financiar a organização, incluindo Mohammed Deif e Yahya Sinwar.

Segundo dados do Hamas, que governa a Faixa de Gaza, os bombardeamentos e combates levados a cabo por Israel desde 7 de outubro deixaram quase 16 mil mortos, principalmente civis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+