Tempo
|
A+ / A-

Degelo dos glaciares tibetanos pode ter impacto inédito em mil anos no Sudeste Asiático

05 dez, 2023 - 09:55 • Lusa

O planalto tibetano é conhecido como a "torre de água asiática" porque os rios alimentados por glaciares que fluem da região são a principal fonte de água para grande parte do Sul e Sudeste Asiático. Esse abastecimento é vital para gerar alimentos - desde o cultivo de arroz à apanha de peixe.

A+ / A-

O degelo dos glaciares no planalto tibetano resultante das alterações climáticas pode vir a surtir um impacto inédito, nos últimos mil anos, na região densamente povoada do Sudeste Asiático, alertou hoje um grupo de investigadores.

Ao reconstruir o registo histórico dos rios com origem no Tibete, os especialistas descobriram uma forte correlação entre os caudais de água e a vegetação da estação seca em toda a Península da Indochina.

Isto revela a "importância da fonte de água tibetana para o funcionamento e a produtividade dos sistemas ecológicos e sociais do Sudeste Asiático", observaram.

A vasta região inclui Vietname, Tailândia, Indonésia, Laos ou Malásia.

A equipa composta por investigadores oriundos da Argentina, Reino Unido, Chile, China, República Checa, Alemanha, Suíça e Estados Unidos, afirmou que as nações precisam de reforçar a cooperação entre si para melhorar as estratégias de preservação dos recursos hídricos.

"Os extremos de fluxo de água coincidem com mudanças distintas nas populações locais que ocorreram durante a época medieval", escreveu a equipa, num artigo publicado na revista científica Nature Geoscience.

"As nossas projeções sugerem que as futuras alterações nos caudais atingirão, ou mesmo excederão, os intervalos históricos até ao final deste século, colocando riscos sem precedentes para o Sudeste Asiático", lê-se no artigo.

O planalto tibetano é conhecido como a "torre de água asiática" porque os rios alimentados por glaciares que fluem da região são a principal fonte de água para grande parte do Sul e Sudeste Asiático. Esse abastecimento é vital para gerar alimentos - desde o cultivo de arroz à apanha de peixe.

No estudo, a equipa reconstruiu o caudal dos rios Mekong, Salween e Yarlung Tsangpo desde o ano 1000 até 2018. Isto foi feito através da recolha e identificação de amostras de árvores com centenas de anos de idade no sul do planalto tibetano.

O Mekong é o rio mais longo do Sudeste Asiático, atravessando a China, Myanmar (antiga Birmânia), Tailândia, Laos, Camboja e Vietname. O Salween corre da China para o Myanmar e Tailândia, enquanto o Yarlung Tsangpo (a corrente superior do rio Brahmaputra) atravessa a China, a Índia e o Bangladesh.

Segundo a equipa, entre as décadas de 1050 e 1190, um forte aumento dos caudais foi acompanhado por um rápido crescimento socioeconómico e cultural na região.

Isto incluiu a ascensão da dinastia Bagan, a primeira dinastia da história do Myanmar.

Também coincidiu com a ascensão do império Khmer, no atual Camboja, e com a construção do complexo de templos de Angkor Wat, entre as décadas de 1110 e 1150.

Mas a diminuição do fluxo de água entre o início do século XIII e o final do século XV coincidiu com a "intervenção de forças externas" e "vários desafios importantes para os sistemas socioeconómicos, políticos e culturais do Sudeste Asiático", segundo o estudo.

Fonte crucial de água para os rios do planalto tibetano

Entre 1280 e 1340, o fraco abastecimento de água coincidiu com uma grande crise na dinastia Bagan.

"Esta crise caracterizou-se por deslocações económicas, tumultos políticos e a divisão do Myanmar", afirmaram os autores.

O período mais prolongado de baixo caudal dos últimos mil anos, entre 1360 e 1500, coincidiu também com o colapso do império Khmer.

"Embora as nações prósperas possam ser mais resistentes e potencialmente mais adaptáveis aos fenómenos climáticos extremos, a influência de fatores ambientais adversos a longo prazo pode afetar esta resistência e os extremos hidrológicos podem desencadear mudanças sociais graduais", afirmaram os autores.

"O degelo dos glaciares é uma fonte crucial de água para os rios do planalto tibetano. À medida que o aquecimento global se intensifica, a produção de água pode aumentar, atingindo mesmo o nível elevado da era medieval", afirmou.

Embora Chen tenha afirmado que tal poderia conduzir a mais catástrofes naturais relacionadas com as inundações provocadas pelo degelo, o estudo advertiu também que o aumento "provavelmente não compensará o rápido (...) crescimento [da população] no Sudeste Asiático, o que significa que os problemas de escassez de água continuarão provavelmente a intensificar-se".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+