Tempo
|
A+ / A-

Autoridades francesas investigam ataque em Paris como "ato terrorista"

03 dez, 2023 - 11:16 • João Carlos Malta

Suspeito, um francês de origem iraniano, já tinha sido condenado por atividades terroristas. Tinha ligações a radicais islâmicos. Depois do ataque de ontem terá dito às autoridades que “não podia mais tolerar a morte de muçulmanos no Afeganistão e na Palestina”.

A+ / A-

As autoridades francesas estão a tratar o ataque de sábado a noite, em Paris, como “um ato terrorista”.

O agressor atacou três pessoas com armas brancas. Uma das vítimas acabou por perder a vida depois de ter sido esfaqueada e a há mais dois feridos que estão a receber tratamento hospitalar.

Ao ser interpelado pela polícia e segundo o ministro do Interior francês, Gerald Darmamin, o homem terá dito que “não podia mais tolerar a morte de muçulmanos no Afeganistão e na Palestina”

Armand Rajabpour-Miyandoab, um francês nascido em 1997, filho de pais iranianos, foi preso na noite de sábado em Paris depois de matar uma pessoa com uma faca e atacar outras duas com um martelo. Ele era muito ativo nas redes.

Segundo a polícia francesa, o autor do ataque terá gritado 'Allah akbar' (Deus é grande).

“Ele estava referenciado pelos serviços de inteligência e de justiça. Foi condenado, pelo que sabemos, a quatro anos de prisão. È tudo o que sei neste momento”, disse Gerald Darmamin.

O mesmo governante disse ainda que a pena foi cumprida porque já na época, este homem “tinha manifestado intenção de realizar uma ação violenta, mas não o fez porque foi detido”.

Darmamin garante que o suspeito estava a ser monitorizado “por revelar sérios distúrbios psiquiátricos. Estava de resto, sob tratamento psiquiátrico e neurológico”

Armand, o atacante francês de origem iraniana, planeou um ataque em La Défense em 2016, pelo qual foi condenado. Naquela época, ele também pensava em partir para a Síria.

A vítima mortal é um turista alemão que também tem nacionalidade filipina, avança o "Le Figaro". Este homem não resistiu a ferimentos nas costas e no ombro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    03 dez, 2023 PORTUGAL 19:57
    Hão-de andar POUCOS por aí...... Não abram as pestanas, não.

Destaques V+