Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Hamas reivindica atentado em Jerusalém. "Nada nos vai parar", garante Netanyahu

30 nov, 2023 - 13:43 • Diogo Camilo

O braço armado do grupo islamita diz que o ataque surge como uma “resposta natural a crimes sem precedentes conduzidos durante a ocupação”. Ministro israelita aponta que só se pode falar com o Hamas "através da mira das armas".

A+ / A-

O braço armado do grupo islamita Hamas reivindicou esta quinta-feira o ataque em Jerusalém em que morreram três pessoas.

Em comunicado, através de um canal da rede social Telegram associado, as brigadas al-Qassam indicam que a operação surge como uma “resposta natural a crimes sem precedentes conduzidos durante a ocupação”, criticando o tratamento de prisioneiros palestinianos nas prisões israelitas.

O grupo pede ainda um “escalar da resistência” face à campanha militar de Israel em Gaza.

As Forças de Defesa de Israel deram conta ainda de um ataque num posto de controlo na Cisjordânia esta quinta-feira, num colonato em Moshav Beka'ot, na região do Vale do Jordão.

Em comunicado, as forças israelitas indicam que dois militares ficaram “ligeiramente feridos” e que foram transportados para um hospital, enquanto o suspeito foi “abatido e neutralizado”.

O ataque acontece depois de seis dias de cessar-fogo, em que ocorreu troca de reféns israelitas por palestinianos presos em Israel.

Netanyahu reage. "Jurei acabar com o Hamas. Nada nos vai parar"

O primeiro-ministro israelita reuniu-se com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, e respondeu ao ataque em Jerusalém.

"Eu disse-lhe: 'este é o mesmo Hamas que cometeu o terrível massacre de 7 de outubro, o mesmo Hamas que tenta matar-nos em todo o lado. E disse-lhe que jurei. Jurei acabar com o Hamas.' Nada nos vai parar. Vamos continuar esta guerra até atingirmos os nossos três objetivos - libertar todos os reféns, eliminar o Hamas e garantir que não existe outra ameaça desta natureza em Gaza", afirmou.

Em visita ao local do ataque, o ministro da Segurança, Itamar Ben Gvir, diz que o atentado é a prova de que a política de entregar armas a civis israelitas estava certa.

"Este evento prova mais uma vez como não podemos mostrar fraqueza, de que temos de falar com o Hamas apenas através da mira das nossas armas, através da guerra. Temos de lutar contra o Hamas", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+