Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

NATO alerta que envio de F-16 não é "solução mágica" para resolver conflito na Ucrânia

29 nov, 2023 - 12:08 • Lusa

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), diz que a Ucrânia tem de estar "preparada para uma batalha longa e difícil".

A+ / A-

O secretário-geral da NATO rejeitou esta quarta-feira que o envio de caças F-16 para a Ucrânia, que Zelensky tem insistentemente pedido nos últimos seis meses, seja uma "solução mágica" para virar o curso da guerra com a Rússia.

"É preciso perceber que isto não é uma solução mágica, não há um único sistema que por si só altere fundamentalmente a situação no campo de batalha. Isto é uma questão de muitas capacidades a trabalhar em simultâneo que vai repelir os russos", considerou Jens Stoltenberg em conferência de imprensa no quartel-general da Aliança Atlântica, em Bruxelas.

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), acrescentou que a Ucrânia tem de estar "preparada para uma batalha longa e difícil".

"Não há uma solução mágica", insistiu, depois de uma reunião do Conselho NATO-Ucrânia, a primeira que ocorreu ao nível dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos 31 Estados-membros da NATO, e o chefe da diplomacia ucraniana, Dmytro Kuleba.

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, tem pedido incessantemente F-16 para reforçar a pressão sobre a Rússia nos céus. Vários países comprometeram-se com a disponibilização destas aeronaves de combate e outros, como Portugal, prontificaram-se a dar formação aos pilotos ucranianos e mecânicos que terão de fazer a manutenção dos caças.

Contudo, o processo está a ser lento, enquanto o conflito no terreno caminha para uma guerra de atrito, a progredir lentamente.

Jens Stoltenberg referiu que no ano passado as tropas ucranianas "venceram as batalhas por Kiev, Kharkiv e Kherson" e que até hoje reconquistou 50% do território ocupado por Moscovo.

Contudo, este ano tem havido dúvidas sobre a eficácia da contraofensiva que Kiev iniciou por causa da lenta progressão no campo de batalha.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    29 nov, 2023 Lisboa 14:31
    Se os F-16, assim como os Leopard e outros veículos blindados e outros equipamentos, tivessem sido entregues à Ucrânia em Setembro de 2022 como Zelensky se fartou de pedir, os russos teriam sido apanhados ainda sem as defesas fortes que o Ocidente lhes deu 7 meses para preparar e provavelmente já teriam sido recambiados para a terra deles. Assim, graças a indecisões, a países que fazem o jogo de Putin e a alguns políticos Republicanos nos EUA, o material veio tarde e a contra-ofensiva ucraniana falhou, e pior que isso, a Rússia está novamente na ofensiva e material para a Ucrânia vai a conta-gotas. No Ocidente parece que ainda não perceberam que se a Rússia apanha a Ucrânia, nunca mais pára até ser parada pela III guerra que será nuclear e de exterminio. Sugiro que se deixem de constante blá-blá político e recomecem a enviar armas e munições para a Ucrânia, e depressa e em força.

Destaques V+