Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia. ONG pedem 400 milhões para ajuda devido ao inverno

23 nov, 2023 - 22:32 • Lusa

De acordo com a agência da ONU, os parceiros humanitários prevêm dar assistência a mais de 1,7 milhões de pessoas em toda a Ucrânia no âmbito do Plano de Resposta de Inverno.

A+ / A-

As organizações humanitárias na Ucrânia precisam de 400 milhões de euros para ajudar, no inverno, os mais afetados pelas infraestruturas danificadas pela guerra, anunciou esta quinta-feira a agência da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários.

"Com a chegada do inverno e as temperaturas a descerem abaixo de zero, os ataques às infraestruturas energéticas e aos sistemas de água e gás poderão agravar ainda mais a situação humanitária, especialmente perto da linha da frente", alerta o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), num relatório hoje divulgado.

De acordo com a agência da ONU, os parceiros humanitários prevêm dar assistência a mais de 1,7 milhões de pessoas em toda a Ucrânia no âmbito do Plano de Resposta de Inverno.

"Desde o início deste ano, os ataques continuaram a danificar casas e instalações energéticas. As pessoas mais afetadas pela guerra poderão enfrentar um inverno rigoroso e ser forçadas a fazer escolhas difíceis, como entre aquecimento ou outros serviços", refere o OCHA, acrescentando que o plano vai estender-se até março de 2024.

"A prestação desta assistência já está em curso e mais de 361 mil pessoas receberam apoio de inverno em outubro", refere ainda a agência que explica terem sido atribuídos produtos para aquecimento, como agasalhos, combustível, cobertores e geradores, além de medicamentos essenciais e equipamentos médicos.

"Quase 540 organizações humanitárias estão a implementar atividades no âmbito do Plano de Resposta Humanitária de 2023, das quais mais de 65% são organizações não-governamentais (ONG) ucranianas.

Segundo refere o OCHA, dos 11,1 milhões de pessoas que receberam assistência na Ucrânia este ano, mais de 60% eram mulheres e raparigas e quase 20% eram crianças.

A comunidade humanitária prestou serviços de saúde a 7,2 milhões de pessoas, serviços de água e higiene a 5,8 milhões, apoio alimentar e de subsistência a 4,1 milhões e serviços de proteção infantil a 2,2 milhões.

Além disso, 1,9 milhões de professores e crianças receberam apoio educativo e quase dois milhões foram alvo de serviços de proteção, como aconselhamento, assistência jurídica e programas de sensibilização.

Quase 1,3 milhões de pessoas foram apoiadas como parte de iniciativas para prevenir a violência baseada no género e ajudar os sobreviventes.

Os esforços de ação contra as minas atingiram 800.000 pessoas, principalmente através de atividades de sensibilização sobre as minas e de educação sobre os riscos.

"A guerra na Ucrânia continua a ter um impacto grave na vida das pessoas, a danificar infraestruturas civis e meios de subsistência críticos e a desencadear deslocamentos obrigatórios de civis das comunidades da linha da frente, gerando grandes necessidades humanitárias", lembra o OCHA.

De acordo com a ONU, desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, em fevereiro de 2022, e até outubro passado, foram registadas mais de 28.350 vítimas civis, número que deverá ser mais elevado já que ainda há muitos desaparecidos.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+