Tempo
|
A+ / A-

Guerra no Médio Oriente

Adiado o cessar-fogo em Gaza

23 nov, 2023 - 05:23 • Lusa

Decisão do adiamento está relacionado com lista de nomes de reféns fornecida pelo Hamas a Israel. O plano acordado passa pela libertação de 50 reféns mantidos em Gaza, juntamente com 150 prisioneiros palestinianos.

A+ / A-

O conselheiro de segurança nacional de Israel garantiu esta quinta-feira que a libertação de reféns detidos pelo grupo islamita Hamas, no âmbito de um acordo entre os dois lados, não acontecerá antes de sexta-feira, sublinhando que as negociações ainda decorrem.

Tzachi Hanegbi não deu nenhuma explicação para o atraso na troca de reféns por prisioneiros palestinianos cuja lista foi divulgada oficialmente pelas autoridades israelitas.

Israel e Hamas anunciaram ter chegado a um acordo que, além de prever a libertação de reféns detidos na Faixa de Gaza em troca de prisioneiros palestinianos, determina uma trégua de quatro dias nos combates.

No entanto, apesar do cessar-fogo temporário ter sido confirmado pelas partes em conflito e pelos Estados mediadores - os Estados Unidos e o Qatar -, Tzachi Hanegbi não adiantou quando pode ter início a trégua.

O acordo com o Hamas implica, segundo o Governo israelita, a libertação no prazo de quatro dias de pelo menos 50 dos cerca de 240 reféns feitos pelo grupo islamita no dia em que atacou Israel, a 7 de outubro.

Por seu lado, Israel libertará alguns prisioneiros palestinianos, maioritariamente adolescentes.

A imprensa estatal do Egito, país que ajudou a mediar o acordo, afirma que a trégua começa na manhã de quinta-feira.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, adiantou ter avisado o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que prosseguirá com a guerra depois de o período de "trégua humanitária" expirar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+