A+ / A-

Gaza. Borrell rejeita que críticas a ação militar sejam classificadas como antissemitismo

22 nov, 2023 - 18:34 • Lusa

O Tribunal Penal Internacional lançou uma investigação para averiguar a prática de crimes de guerra e de genocídio por parte de Israel.

A+ / A-

O alto-representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros rejeitou esta quarta-feira que se classifique como antissemitismo qualquer crítica à maneira como Israel está a conduzir as operações militares no território palestiniano.

"Devia ser possível defender o direito dos palestinianos a possuírem um Estado, sem que isso implique ser classificado como antissemita", disse Josep Borrell, durante uma intervenção no Parlamento Europeu (PE), em Estrasburgo (França).

E continuou: "Devia ser possível criticar a política do Governo de Israel, porque os governos de qualquer país podem ser objeto de crítica sem que isso implique acusações que querer o mal contra judeus. Não confundamos as coisas! Uma coisa é criticar o Governo de um país, outra é manifestar a rejeição de uma parte da população".

O chefe da diplomacia europeia acrescentou que é possível colocar em pé de igualdade o "maior massacre" contra a população judaica desde a Segunda Guerra Mundial, perpetrado pelo movimento islamita Hamas no dia 7 de outubro, e a "catástrofe humanitária inédita" na Faixa de Gaza, provocada pelos bombardeamentos israelitas.

"Não é uma catástrofe humanitária de origem natural, foi criada pelo Homem através do corte ao acesso da população a necessidades básicas. As próprias Nações Unidas classificaram-no como 'carnificina'", advertiu Josep Borrell perante os eurodeputados.

O Tribunal Penal Internacional (TPI) lançou uma investigação para averiguar a prática de crimes de guerra e de genocídio por parte de Israel.

O alto-representante da UE para os Negócios Estrangeiros lembrou as advertências feitas pelo procurador-geral do TPI, Karim Khan, de que Israel tem "obrigações claras no que diz respeito à guerra que está a levar a cabo contra o Hamas".

"Não são apenas obrigações morais, mas também jurídicas derivadas do direito nos conflitos armados, e que afetam o acesso da população a necessidades básicas para a sua subsistência", completou.

Josep Borrell reconheceu que a UE "está enormemente preocupada com o que está a acontecer", em concreto os "ataques perpetrados por colonos israelitas contra civis palestinianos na Cisjordânia, que continuam a aumentar".

"Falamos há 30 anos dos acordos de Oslo, repetindo: 'a solução dos dois Estados, a solução dos dois Estados, a solução dos dois Estados'. Mas pouco ou nada fizemos para alcançá-la. Acreditámos que o problema podia ser encapsulado, que podíamos esquecer-nos dos palestinianos, já que os Estados árabes estavam a construir a paz com Israel", lamentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+