Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Fundador da plataforma Douyu detido por operar casino

22 nov, 2023 - 18:55 • Lusa

A+ / A-

A polícia chinesa afirmou hoje que o fundador e presidente da plataforma de transmissão de jogos de computador Douyu, Chen Shaojie, foi detido por operar um casino, algo que é ilegal na China continental.

Nos últimos dias, já tinha havido especulação sobre a possível detenção de Chen, depois de alguns órgãos de comunicação terem noticiado que ele estava incontactável desde o dia 16 de novembro, mas só hoje a empresa confirmou em comunicado a detenção.

A mesma nota referiu que o executivo foi detido na cidade de Chengdu, no centro do país, e que a Douyu "não recebeu qualquer notificação oficial sobre a investigação contra Chen ou as razões da sua detenção".

A polícia de Chengdu afirmou, entretanto, na rede social Weibo - equivalente chinês do X (antigo Twitter), cujo acesso está bloqueado na China - que a detenção de Chen se deveu à "abertura de um casino" e que está a investigar o caso.

A imprensa chinesa avançou anteriormente que a detenção estaria relacionada com jogos de fortuna e azar, o que é ilegal na China, exceto na região semiautónoma de Macau.

A Douyu alertou ainda para o facto de a detenção e a eventual acusação de Chen poderem "ter um impacto negativo na reputação da empresa, na sua atividade e nos resultados das suas operações".

As ações da Douyu, cotadas na bolsa norte-americana Nasdaq, caíram mais de 5,7%, entre segunda e terça-feira.

Nos últimos meses, as autoridades chinesas prenderam vários executivos de grandes empresas chinesas, com especial incidência no setor financeiro, onde o Partido Comunista prometeu, no início deste ano, "eliminar" a corrupção.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+