Tempo
|
A+ / A-

GUERRA ISRAEL-HAMAS

EUA está a "trabalhar arduamente" para chegar a acordo Israel-Hamas

19 nov, 2023 - 05:27 • Lusa

A reação da Casa Branca surge depois de o jornal Washington Post avançar que tinha sido alcançado um acordo entre ambas as partes.

A+ / A-

"Ainda não chegámos a um acordo, mas continuamos a trabalhar arduamente" para o conseguir, escreveu, no sábado, a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca Adrienne Watson, na rede social X (antigo Twitter).

A reação da porta-voz surgiu depois de o jornal Washington Post publicar ter sido alcançado um acordo entre as partes beligerantes que previa a libertação de reféns em troca de uma pausa de cinco dias nos combates.

No terreno, a Organização Mundial de Saúde (OMS) denunciou que o hospital Al-Shifa, o maior da Faixa de Gaza visado pelos ataques israelitas, se tornou uma "zona de morte" e ordenou a retirada deste estabelecimento.

De acordo com o exército israelita, que invadiu o hospital na manhã de quarta-feira, o hospital alberga um esconderijo do Hamas, instalado numa rede de túneis. O movimento islamita palestiniano negou.

No momento em que a guerra entra hoje no 44.º dia, o exército israelita "continua a alargar as operações em novas zonas da Faixa de Gaza", anunciou, indicando ter realizado operações, no sábado, nas zonas de Jabaliya e Zaytun, no norte do território.

Em 07 de outubro, o movimento islamita Hamas desencadeou um ataque surpresa contra o sul de Israel com o lançamento de milhares de foguetes e a incursão de milicianos armados.

Em resposta, Israel declarou guerra ao Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007 e é classificado como terrorista pela UE e pelos Estados Unidos, bombardeando várias infraestruturas do grupo em Gaza e impôs um cerco total ao território com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

Os bombardeamentos israelitas por ar, terra e mar causaram entre 16 mil e 12 mil mortos, na maioria civis, na Faixa de Gaza, de acordo com dados do Hamas.

A ONU indicou que mais de dois terços dos 2,4 milhões de habitantes da Faixa de Gaza foram deslocados pela guerra, tendo a maior parte fugido para sul.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+