Tempo
|
A+ / A-

Lagarde defende criação de um regulador de mercados na UE idêntico ao dos EUA

17 nov, 2023 - 14:58 • Lusa

A líder do BCE também criticou que a união dos mercados de capitais na UE não avance.

A+ / A-

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, defendeu esta sexta-feira a criação na União Europeia (UE) de uma Comissão de Valores Mobiliários semelhante à SEC nos Estados Unidos.

Ao inaugurar um congresso da banca europeia em Frankfurt, Lagarde disse que atualmente a Autoridade Europeia de Valores e Mercados (ESMA, na sigla em inglês) desempenha algumas das funções, mas não está realmente unificada.

"A supervisão permanece sobretudo a nível nacional, o que fragmenta a aplicação da legislação na UE", os poderes estão divididos entre vários reguladores nacionais, advertiu.

"Criar uma SEC [Securities and Exchange Commission] europeia, por exemplo, ampliando os poderes da ESMA poderia ser a resposta. Necessitaria de um mandato amplo, incluindo supervisão direta, para mitigar riscos sistémicos colocados pelas grandes empresas transfronteiriças e pelas infraestruturas de mercado", disse Lagarde.

A líder do BCE criticou que a união dos mercados de capitais na UE não avance e considerou que essa medida é necessária para financiar a transformação da economia.

Lagarde disse também que "é claro que as condições para o desenvolvimento dos mercados de capitais na Europa ainda não foram reunidas" e criticou que tenha faltado um objetivo comum nos últimos dez anos e que governos e empresas reduzam os seus investimentos.

Segundo a presidente do BCE, a Europa, tal como outras regiões, enfrenta problemas como a desglobalização, as alterações demográficas e a descarbonização e estão a aumentar os sinais de que a economia está a fragmentar-se em blocos concorrentes.

O envelhecimento da população vai tornar necessárias novas tecnologias para produzir mais com menos trabalhadores e o aquecimento global torna necessário avançar na transição verde sem mais atrasos, acrescentou.

A Comissão Europeia (CE) calcula que a transição verde exigirá investimentos adicionais de 620.000 milhões de euros anuais em média até 2030 e a transição digital outros 125.000 milhões de euros anuais.

Os governos têm agora os níveis de dívida mais elevados desde a Segunda Guerra Mundial e o fundo de recuperação europeia termina em 2026, lembrou Lagarde.

Os bancos são importantes no financiamento da transformação da economia, mas se pode esperar que assumam tantos riscos nos seus balanços, considerou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+