A+ / A-

Kiev diz que há 4.337 cidadãos ucranianos cativos das forças russas

17 nov, 2023 - 21:04 • Lusa

Governo ucraniano informou que 1.953 pessoas já foram libertadas, tendo atribuído 10,7 milhões de euros para ajudar os libertados e as famílias de reféns.

A+ / A-

O Governo da Ucrânia contabilizou esta sexta-feira 4.337 cidadãos ucranianos que permanecem cativos das forças russas, incluindo 763 civis.

Os números foram compilados por uma comissão que trabalha nesta matéria desde 19 de novembro de 2022, sob alçada do Ministério da Reintegração dos Territórios Ocupados da Ucrânia, que foi criado após o início da invasão russa, em 24 de fevereiro desse mesmo ano.

Esta comissão - presidida pela vice-primeira-ministra Irina Vereshchuk - por sua vez informou que 1.953 pessoas já foram libertadas, segundo um relatório publicado na página do Ministério na rede social Facebook.

Até ao momento, este ano, o Ministério da Reintegração atribuiu 422 milhões de hryvnias (10,7 milhões de euros) para ajudar os libertados, bem como as famílias dos reféns.

Apesar da guerra, a Rússia e a Ucrânia parecem ter chegado a acordo sobre diversas questões humanitárias, como a troca de prisioneiros ou a entrega de corpos de soldados, bem como sobre o regresso de crianças ucranianas que se encontravam em território russo.

Alguns destes acordos também foram alcançados através da intermediação de países como a Turquia, o Qatar ou os Emirados Árabes Unidos, embora a maioria tenda a ser realizada pessoalmente entre funcionários de alto nível em diversos locais como fronteiras partilhadas ou em Istambul.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+