Tempo
|
A+ / A-

Presidente da África do Sul destaca exército para impedir exploração mineira ilegal

09 nov, 2023 - 13:40 • Lusa

Na África do Sul, a exploração mineira ilegal é frequente, trabalhando os mineiros em minas desativadas e abandonadas, em especial na zona urbana de Joanesburgo e arredores.

A+ / A-

O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, aprovou nesta quinta-feira o destacamento de 3.300 efetivos do exército para impedir a exploração mineira ilegal em todo o país, que é rico em recursos como ouro, diamantes e platina.

"O Presidente Cyril Ramaphosa autorizou o destacamento de 3.300 efetivos da Força de Defesa Nacional Sul-Africana (SANDF, na sigla em inglês) para trabalharem em cooperação com o Serviço de Polícia Sul-Africano", declarou nesta quinta-feira a presidência sul-africana através de um comunicado.

As duas forças de segurança vão "conduzir uma operação anticrime contra a mineração ilegal em todas as províncias" até 28 de abril de 2024.

O orçamento para esta ação de "prevenção e luta contra a criminalidade" ascende a 492 milhões de rands (cerca de 24,7 milhões de euros), segundo as autoridades.

Na África do Sul, a exploração mineira ilegal é frequente, com os mineiros conhecidos localmente como "zama-zamas" a trabalharem em numerosas minas desativadas e abandonadas, em especial na zona urbana de Joanesburgo (norte) e arredores.

O setor, que conheceu um dos desenvolvimentos mais lucrativos do continente africano, está frequentemente associado à atividade de grupos criminosos organizados na África do Sul.

De acordo com um relatório publicado em 2019 no âmbito do projeto ENACT, que luta contra a criminalidade organizada transnacional em África, financiado pela União Europeia, os "zama-zamas" extraem anualmente ouro no valor de mais de 702 milhões de euros, o que faz da África do Sul uma das maiores fontes de ouro ilegal do mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+